twitter

CIM Cávado sensibiliza Governo para investimentos na região

CIM Cávado sensibiliza Governo para investimentos na região
Fotografia DR

Diana Carvalho

Jornalista

Publicado em 11 de julho de 2023, às 14:42

Autarcas reuniram com ministro das Infreestruturas.

Os autarcas da CIM Cávado reuniram esta segunda-feira, em Vila Verde, com o ministro das Infraestruturas, João Galamba. Na sequência da reunião, Ricardo Rio adianta que o ministro “está preocupado com os problemas da região do Cávado e solidário com muitos dos investimentos e anseios que lhe foram colocados”, mas que “está algo limitado a nível financeiro com os recursos disponíveis”. 

O autarca bracarense considera que há ainda um compromisso do Governo para com a requalificação do Nó de Infias. “O ministro mostrou-se conhecedor de todo o processo, cujo projecto está em fase final de aprovação nas Infraestruturas de Portugal (IP), e reiterou o compromisso de avançar com o concurso público”, salientou Ricardo Rio.

Na reunião, o presidente da CIM Cávado reiterou a importância da criação de novos acessos às zonas empresariais, uma medida considerada essencial para a competitividade da região. “Há acessos que são fundamentais para criar alternativas à circulação rodoviária e tornar mais acessíveis os Parques Empresariais que são uma fonte de competitividade, de criação de emprego nos nossos territórios e que actualmente não são bem servidos nessa matéria”, explicou Ricardo Rio, dando como exemplo a conclusão da Variante do Cávado. “Uma ligação desta Variante a Ferreiros iria diminuir o atravessamento de milhares de carros pela cidade, com as respectivas vantagens para os Bracarenses e para os cidadãos dos concelhos limítrofes”.

A conservação das vias foi outro dos assuntos em cima da mesa, com Ricardo Rio a salientar que as Infraestruturas de Portugal têm apenas 60 milhões para investir nessa área para todo o território nacional, ou seja, um valor “manifestamente insuficiente”, tendo em conta só a Câmara de Braga contraiu um empréstimo de 15 milhões de euros para esse tipo de intervenções no concelho. “Esta é uma questão que ultrapassa o próprio Ministério das Infraestruturas e Portugal não pode continuar a deixar ao abandono muitas das suas vias”, concluiu Ricardo Rio.