twitter

PSP identificou adeptos do Vitória SC e SC Braga. Há seis autos de contraordenação

PSP identificou adeptos do Vitória SC e SC Braga. Há seis autos de contraordenação
Fotografia

Publicado em 10 de março de 2021, às 12:08

De resto, e segundo a PSP, o jogo correu sem incidentes e lembra que «a posse e o manuseamento de artigos pirotécnicos colocam em causa a integridade física de terceiros e do próprio utilizador, estando por isso mesmo tal conduta estatuída legalmente como

Vários adeptos do Vitória SC e do SC Braga foram identificados, ontem, no âmbito das incidências em torno do jogo que colocou frente a frente o SC Braga ao Vitória SC e que os "guerreiros" venceram por 3-0. No total foram levantados seis autos de contraordenação na sequência dos incidentes em Braga e Guimarães. Segundo a PSP de Braga, na cidade de Guimarães às 19h50 junto à Rodovia de Covas, a PSP travou uma manifestação de adeptos que queriam abordar o autocarro do Vitória SC. «Foram identificadas três pessoas. Registaram quatro autos de notícia por contraordenação, três por presença na via pública em violação às normas vigentes no âmbito do combate à pandemia e um por posse de artigo pirotécnico», confirmou a PSP. Em Braga, pelas 20hoo, na Avenida Padre Júlio Fragata, junto ao Braga Parque, a PSP teve de intervir para dispersar a ação de apoio ao SC Braga, como documentam as imagens do Diário do Minho. «Uma pessoa foi identificada, tendo-lhe sido levantados dois autos de notícia por contraordenação, um por presença na via pública em violação às normas vigentes no âmbito do combate à pandemia e outro por posse de artigo pirotécnico», confirmou a PSP. De resto, e segundo a PSP, o jogo correu sem incidentes e lembra que «a posse e o manuseamento de artigos pirotécnicos colocam em causa a integridade física de terceiros e do próprio utilizador, estando por isso mesmo tal conduta estatuída legalmente como contraordenação e, nalguns casos, crime». «Reforça-se também a necessidade de cumprimento de todas as normas vigentes no âmbito da execução do estado de emergência e do regime jurídico», vaticina a PSP.
Autor: Nuno Cerqueira