twitter

“Ida e Volta” repete maior encontro de Gigantones e Cabeçudos da Europa

“Ida e Volta” repete maior encontro de Gigantones e Cabeçudos da Europa
Fotografia

Publicado em 18 de maio de 2017, às 12:00

Evento preenche todo o dia 17 de junho, para uma "abertura em grande" do São João

A associação “Ida e Volta” vai organizar no próximo dia 17 de junho o 28.º Encontro Internacional de Gigantones e Cabeçudos – as sete primeiras edições foram pela Equipa Espiral.

Este é um evento marcante das Festas de São João de Braga, que os responsáveis desta coletividade, sediada no Bairro das Andorinhas, dizem ser «a maior festa popular do país». 

Este é um evento «fortemente inclusivo», que ao fim de tantos anos continua a sair à rua fruto do «suor dos miúdos das Andorinhas, hoje graúdos e “homens de vida”, que ano após ano envergam «com orgulho» as figuras alegóricas e/ou alusivas a diversas personalidades, numa sátira popular imparável.

O dia inclui um desfile de Grupos de Percussão e Escolinhas à tarde, o desfile com mais de 80 Gigantones e Cabeçudos à noite, finalizando com um delicioso Baile de Gigantones, animado por uma banda formada pelo conjunto dos gaiteiros dos grupos participantes.

Há grupos de Espanha e um de Inglaterra, naquele que é considerado «o maior encontro do género da Europa».

Este ano o evento tem um novo “padrinho”, o presidente da Câmara Municipal de Braga, que não se importa de vestir a pele de “cabeçudo”, se for para promover um dos eventos mais caraterísticos da cidade de Braga, que tem granjeado reconhecimento internacional, seja em deslocações à América Latina ou à Europa.

As mais frequentes são à Catalunha e a Castela-Leão, onde existem grupos e eventos congéneres, os quais reconhecem Braga como «o mais relevante encontro ibérico».

«Tudo começou há 28 anos, quando mobilizados por Constantino Teixeira (fundador da Espiral e da Ida e Volta), uma dezena de Cabeçudos decidiu descer a Avenida da Liberdade», explicou o diretor criativo José Freitas, que teve o prazer de participar em todas as edições.

Com «muita persistência e teimosia» os anos seguintes foram «sempre a crescer», até que nos últimos anos o Encontro passou «a contar com um maior apoio financeiro e logístico», testemunhou o presidente Carlos Bonjardim.

O desafio deste ano é voltar a crescer e realizar «o maior Encontro de Gigantones, Cabeçudos e Zés Pereiras da Europa», pelo menos entre aqueles que são conhecidos, sendo que a novidade é a repetição do inédito Baile de Gigantones, que surpreendeu os participantes e visitantes na Arcada. 

O recorde do ano passado já foi superado, com «80 gigantones confirmados e mais de 100 cabeçudos», mas os números «ainda deverão subir até lá», adiantou o presidente da "Ida e Volta", uma associação com «boa saúde financeira», cujas receitas são provenientes das múltiplas saídas, entre as quais se contou a única presença externa no Carnaval de Torres Vedras. 

E a Braga vêm grupos de Sines, Seixal, Montijo, Coimbra e de vários outros pontos do país, além de quatro presenças de Espanha já confirmadas (mais duas a caminho) e um grupo de percussão de Inglaterra.

Tudo para proporcionar «o maior número de participantes possível e mais um sucesso na promoção da cultura popular bracarense», como assinalou o edil Ricardo Rio, que agradeceu «o trabalho da "Ida e Volta", dos responsáveis e daqueles que nunca dão a cara».

O presidente da Associação de Festas, Rui Ferreira, referiu que este evento «contou sempre com o apoio das Festas, que nos últimos anos tem sido «reforçado», sendo que a "Ida e Volta" «é o parceiro preferencial da promoção externa do São João.

«Este é um momento indispensável e um dos principais números da festa, pela sua tradição, animação e envolvência», disse, concluindo: «Devem estar orgulhosos pelo que fizeram pela cultura em Braga».


Autor: José Carlos Lima