twitter

Sapadores de Braga aptos para intervenção e resgate em águas bravas

Sapadores de Braga aptos para intervenção e resgate em águas bravas
Fotografia DR

Rita Cunha

Jornalista

Publicado em 23 de outubro de 2023, às 17:52

A equipa já foi chamada a intervir em operações no rio Cávado

Os Bombeiros Sapadores de Braga estão capacitados para operações de intervenção e resgate em águas bravas, tanto do ponto de vista operacional como de equipamento adequado. Após o curso nesta especialidade, os operacionais estão dotados e capacitados para qualquer tipo de intervenção em ambiente de cheias.


«Esta é mais uma medida que vem no seguimento da valorização e capacitação dos operacionais desta companhia, tal como no investimento municipal para dotar os bombeiros de todo o equipamento necessário para fazer face às diversas ocorrências», referiu Altino Bessa, vereador da Câmara Municipal de Braga, durante a apresentação da equipa de resgate em águas bravas.


Num investimento de cerca de 10 mil euros, os Sapadores de Braga estão munidos de todo o equipamento fundamental para garantir a capacidade de resposta às ocorrências e contam com 21 elementos que finalizaram o curso de resgate em águas bravas. «A nossa capacidade de resposta tem aumentado nos últimos anos e queremos ser uma referência de qualidade em meios e em operacionais. Para isso temos proporcionado um alargado leque de formação para que os nossos bombeiros tenham segurança no desempenho das suas tarefas de socorro aos bracarenses e às populações de outros concelhos», disse.


Segundo o comandante dos Bombeiros Sapadores de Braga, o investimento nesta vertente de regaste em águas bravas já deu os seus frutos, uma vez que esta equipa especializada já foi chamada a intervir em operações no rio Cávado. «Esta é uma formação altamente exigente com um grau de dificuldade elevado. Após o curso, já estivemos envolvidos em cinco salvados no rio Cávado, dos quais três foram realizados por nós e os restantes em complemento a outros corpos de bombeiros», referiu Nuno Osório, sublinhando que este tipo de equipamento «é determinante para um resgate em segurança quer para as vítimas quer para os operacionais».