twitter

Crianças da Sé “desfilam” alegria e unem comunidade através da tradição das Marchas de Santo António

Crianças da Sé “desfilam” alegria e unem comunidade através da tradição das Marchas de Santo António
Fotografia DM

Carla Esteves

Jornalista

Publicado em 13 de junho de 2023, às 17:12

Rossio da Sé de Braga encheu-se de colorido

O Rossio da Sé de Braga ganhou hoje um colorido e uma alegria muito especiais que se prolongaram a várias artérias do centro histórico da cidade, à passagem das magníficas Marchas de Santo António com que as crianças da EB1 da Sé do Jardim de Infância da Quinta das Hortas brindaram a cidade. Foi perante um público atento e embevecido que o belíssimo grupo atuou, não deixando por mãos alheias o crédito de perpetuar esta bela tradição.

A iniciativa, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Braga, da União de Freguesias de Maximinos, Sé e Cividade, da Associação de Pais da escola, da Braghabit, dos Bravos da Boa Luz e do Tesouro Museu da Sé começou a ser preparada logo a seguir à Braga Romana e os pequenos intérpretes demonstraram, ontem o resultado de várias horas de ensaios.

A diretora da EB da Sé, Albertina Sousa, e a professora Salomé Henriques, salientam que a preparação decorreu com grande alegria e sentido de responsabilidade, e que tod a comunidade escolar esteve ativamente envolvida.

Os arcos festivos que as  crianças transportam e os trajes são os mesmos de sempre permanecem na escola há 25 anos e as saias envergadas pelas mães que marcaram presença no desfile foram cedidas pelos Bravos da Boa Luz.

É este espírito de comunidade que o presidente da União de Freguesias de Maximinos, Sé e Cividade pretende que prossiga no próximo ano, demonstrando a união das gentes da Sé e o apoio das instituições.

«Se a União de Freguesias e o próprio Município não acarinharem este tipo de iniciativas é muito difícil de as levar a bom porto, pois hoje em dia tudo é caro, terminando com gastos de muitos milhares de euros, por isso é imprescindível o envolvimento de todos», disse.

Luís Pedroso terminou as marchas de Santo António da Sé, deixando o desafio a Maximinos para que arranquem também com as celebrações de S. Pedro, seu patrono, pois a União de Freguesias «lá estará para os ajudar».

EB da Sé e Bravos da Boa Luz ajudam a preservar a identidade comunitária   

Festejar o Santo António é uma tradição com raízes longínquas na freguesia da Sé, que permanecem vivas e bem arreigadas numa cidade em que a tradição é predominantemente sanjoanina. É na freguesia da Sé que adultos e crianças eternizam a devoção a Santo António, entre marchas, festa e sardinha assada.

O presidente da União de Freguesias de Maximinos, Sé e Cividade, recordou que a tradição vem de longe, e apesar de ter tido momentos de paragem, nunca foi esquecida pelos moradores e pelos bracarenses em geral.

O facto dos “Bravos da Boa Luz” terem adotado as tradições de Santo António como suas, e EB da Sé ter assumido a responsabilidade pela passagem do testemunho aos mais novos tiveram ambos um papel determinante.

 

Luís Pedroso exaltou, por isso, o mérito do corpo docente e não docente da Escola EB1 da Sé, que ano após ano, trabalha para a comunidade com iniciativas como as Marchas de Santo António, a representação do Milagre de S. Geraldo e a Braga Romana.

«É uma escola muito interventiva, que proporciona aos seus alunos o sentido de preservação da identidade da freguesia onde estão instalados», afirmou, lembrando que, no ano passado, após o Covid, já decorreram as marchas dos pequeninos, tendo as marchas dos adultos regressado ao convívio dos bracarenses apenas nesta segunda-feira à noite.

«O cenário pós-Covid é complicado porque há rotinas que desapareceram e não é fácil recomeçar. Mas este ano as marchas voltaram a sair e na noite de 12 de junho milhares de pessoas estiveram no Rossio da Sé para assistir, um facto que eu registo com muita alegria», afirmou o autarca.

Luís Pedroso aproveitou também para enaltecer o papel dos “Bravos da Boa Luz” enquanto «coletividade que preserva a identidade histórica de pequenas coisas, dos usos, costumes e tradições populares».