Fotografia: DR
Universidades do Minho e Valência acolhem sede europeia para a investigação microbiana

O processo de formalização do MIRRI está agendado para setembro, tendo em vista a sua constituição como entidade legal reconhecida pela Comissão Europeia até ao final de 2019.

Lusa
16 Mai 2018

As universidades do Minho e de Valência (Espanha) vão acolher a sede pan-europeia da Infraestrutura de Investigação de Recursos Microbianos (MIRRI), uma plataforma que pretende “facilitar o acesso e gestão legal de recursos microbianos”, anunciou hoje a instituição minhota.

Em comunicado enviado à Lusa, a Universidade do Minho (UMinho) revela que em Braga, no seu campus de Gualtar, vai ficar a sede estatutária do organismo e no campus de Paterna da Universidade de Valência vão ser instalados os serviços informáticos e telemáticos, apoiados pela LifeWatch, uma plataforma eletrónica de referência mundial na proteção, gestão e uso sustentável da biodiversidade.

“Pretende-se facilitar o acesso, a nível europeu, a uma ampla gama de recursos microbiológicos e aos dados a eles associados de alta qualidade, dentro de um quadro legal compatível”, explica no texto o professor catedrático e diretor da Micoteca da UMinho Nelson Lima.

“Ao promover o acesso a competências e ao fornecer uma plataforma colaborativa que aproxima cientistas de vários centros e repositórios microbiológicos europeus, o MIRRI quer apoiar e fomentar o desenvolvimento de investigação no campo da biotecnologia, gerando soluções eficientes para os grandes desafios da sociedade e estimulando a interação entre a academia e a bioindústria”, explana.

Os recursos microbianos são microrganismos que representam uma miríade da biodiversidade invisível com relevância ambiental, industrial e clínica. Os microrganismos e seus produtos derivados têm um elevado impacto no bem-estar do ser humano pela capacidade de produzirem produtos milenares de fermentação, como a cerveja e o queijo, mas também de fornecerem antibióticos como a penicilina ou novas soluções biotecnológicas para aplicar na indústria alimentar, farmacêutica ou química.

Segundo adianta a UMinho, a proposta para instalação da MIRRI entre Braga e Valença “foi apoiada pelos governos português e espanhol, tendo sido aprovada há dias numa reunião com representantes dos sete países membros (Bélgica, França, Grécia, Letónia, Polónia, Portugal e Espanha), que assinaram até à data o memorando de entendimento do MIRRI”.

O MIRRI será estabelecido como uma entidade legal sem fins lucrativos, seguindo um modelo distribuído com uma unidade central de coordenação e com “nós nacionais” nos vários Estados parceiros.

A proposta agora aprovada foi elaborada por Nelson Lima e Rosa Aznar, diretora da Coleção Espanhola de Cultivos Tipo da Universidade de Valência, contando com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, bem como da Secretaria de Estado da Investigação e Inovação, do Ministério da Economia, Indústria e Competitividade de Espanha.

Após a fase preparatória, financiada pelo programa-quadro FP7 com um orçamento superior a três milhões de euros, o MIRRI entra na sua fase de consolidação.




Notícias relacionadas


Scroll Up