twitter

Hora do essencial

Que tem a Igreja para oferecer? A pergunta pode parecer um truísmo, mas, frequentemente, a resposta não avulta com muita nitidez.

A Igreja tem para oferecer ao mundo Jesus: o Jesus do Evangelho e o Evangelho de Jesus.

O problema é que – alegam alguns – nem sempre é isso o que mais se ouve nem o que mais se vê.

Em tal caso, que levará as pessoas a sair da sua rotina (ou de seu conforto) para uma celebração, uma reunião ou qualquer outro género de encontro?

Se a situação já vinha emergindo há algum tempo, com as restrições da pandemia, ela tende a agudizar-se.

Não falta quem pergunte: que vou fazer a uma igreja?

A Igreja existe para anunciar. A estrutura fundamental do seu anúncio é o mistério pascal: Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. É a concatenação entre estes momentos que configura a diferença cristã.

Se Cristo não ressuscitou — como já advertia São Paulo —, é vã a nossa fé (cf. 1Cor 15, 14). Sem a Ressurreição, só poderíamos dizer que Jesus viveu. É porque ressuscitou que proclamamos que Jesus está vivo.

É Jesus que nos faz viver. É Jesus que nos leva a sair de casa (aos que podem e com as devidas precauções),

É Jesus que nos motiva a celebrar os mistérios e a testemunha-los na existência.

Acontece que tudo isto tem de ser dito, anunciado, ensinado e, nessa medida, apr(e)endido.

Uma Igreja «docens» é inseparável de uma indispensável Igreja «discens». Só pode ensinar quem se dispõe a aprender.

Estes tempos difíceis podem converter-se também em tempos providenciais se estivermos dispostos a exercitar mais a dimensão discente da Igreja.

É hora de reapreender o essencial da fé para a testemunhar junto das pessoas.

Estes são sobretudo tempos de aprendizagem, de escuta, de oração e de uma certa quietude contemplativa.

É vital que — neste momento difícil — acolhamos o que o Espírito quer dizer à Igreja (cf. Ap 2, 7).

Será que uma época diferente reclama de nós apenas o mesmo? Uma «Igreja confidente» (que escuta) é o suporte imprescritível de uma «Igreja conferente» (queanuncia).

Maria não Se destaca tanto pela palavra proferida com os lábios como pela palavra pronunciada com a vida. Daí que, enquanto Mãe da Igreja, Ela seja paradigma do que há-de ser a Igreja Mãe.

Com Maria, a Igreja reaprenderá a constituir-se sempre como comunidadeorante e, simultaneamente, como comunidade fraterna.

Com Maria, cada membro da Igreja há-de procurar ser, ao mesmo tempo, «homo Dei» (homem de Deus) e «homo hominibus» (homem para os homens)!


Autor: Pe. João António Pinheiro Teixeira
DM

DM

16 março 2021