twitter

Vila Nova de Cerveira abre novo Centro de Apoio à Integração de Migrantes

Vila Nova de Cerveira abre novo Centro de Apoio à Integração de Migrantes
Fotografia Diana Carvalho

Agência Lusa

Agência noticiosa

Publicado em 19 de fevereiro de 2024, às 16:18

Este segundo espaço de atendimento junta-se ao existente no Centro de Apoio às Empresas, em Campos.

A Câmara de Vila Nova de Cerveira abriu esta segunda-feira no centro de Transportes um novo Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes (CLAIM), que aumentaram nas “freguesias mais próximas da sede do concelho”. Este segundo espaço de atendimento junta-se ao existente no Centro de Apoio às Empresas, em Campos, e “surge da necessidade de dar resposta ao aumento do número de migrantes que se encontram a viver e/ou trabalhar nas freguesias mais próximas da sede do concelho”, indica aquela autarquia do distrito de Viana do Castelo, em comunicado.

De acordo com os resultados provisórios dos Censos 2021, os residentes estrangeiros em Vila Nova de Cerveira “subiram de 278 em 2011 para 607 em 2021”, numa “variação de, aproximadamente, 120%, sendo na sua maioria oriundos de países não pertencentes ao espaço territorial da União Europeia”, refere a Câmara. “Do perfil recolhido por um diagnóstico social realizado, em 2022, pela câmara, a população imigrante residente no concelho é, na sua maioria, do sexo masculino, na faixa etária entre os 20 e os 49 anos e possui um elevado nível de escolaridade (médio ou superior)”, acrescenta.

O município observa ainda que quase metade dos imigrantes vive com “outros elementos do agregado familiar (cônjuge, filhos ou pais), estando a residir, maioritariamente, na União das Freguesias de Campos e Vila Meã, o que se explica pela sua oferta de trabalho na área industrial, e na União das Freguesias de Vila Nova de Cerveira e Lovelhe”.

Os CLAIM são gabinetes de acolhimento para apoiar todo o processo de integração de pessoas migrantes, “articulando com as diversas estruturas locais e promovendo a interculturalidade a nível local”. “Estes serviços prestam apoio e informação geral em diversas áreas, tais como regularização, nacionalidade, reagrupamento familiar, habitação, retorno voluntário, trabalho, saúde, educação, entre outras questões do quotidiano”, descreve a autarquia.

Numa primeira fase, o novo CLAIM funcionará às segundas-feiras das 9h00 às 12h30 e das 13h30 às 16h30, mediante marcação prévia por telefone ( 251 708 072 | 927 480 752) ou por correio eletrónico ([email protected]). “Caso se venha a justificar, o atendimento poderá ser alargado a mais dias”, diz o município.

Quanto ao CLAIM do CAE – Centro de Apoio às Empresas, funciona de segunda-feira a sexta-feira das 9h00 às 16h30. “A preocupação do atual executivo municipal liderado por Rui Teixeira com a elaboração de uma estratégia concertada para os migrantes começou em 2022, com a realização de um exaustivo diagnóstico da população imigrante residente no concelho”, assinala o município.

A Câmara recorda que, “entre as várias sugestões apontadas no documento final, destacava-se a importância da realização de cursos de português, a realização de festas e outras atividades culturais de integração, além de providenciar serviços de apoio diversos”.

A autarquia aumentou o número de turmas de PLA – Português Língua de Acolhimento”, o que levou à “certificação de 74 migrantes (nível A1-A2) de 11 nacionalidades, permitindo-lhes a revalidação do título de residência”. “Entre setembro e outubro de 2023, 88 cidadãos de 13 nacionalidades a residir no concelho de Vila Nova de Cerveira participaram nas Oficinas Criativas de cerâmica, gravura e serigrafia”, promovidas pela Fundação Bienal de Arte de Cerveira, com orientação dos artistas Henrique do Vale, Acácio de Carvalho e Paulo Barros.

A autarquia e a FBAC dinamizam ainda um projeto intercultural de integração através da partilha de “diferentes histórias de vida e geografias”, no âmbito do projeto “AMAM – Rede de Apoio a Migrantes no Alto Minho”, promovido pela Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho), e cofinanciado pelo Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração (FAMI).