twitter

Guimarães espera resposta do Governo para avanço do Campus da Justiça

Guimarães espera resposta do Governo para avanço do Campus da Justiça
Fotografia DR

Redação

Publicado em 29 de dezembro de 2023, às 10:07

Construção do Campus da Justiça arrasta-se desde 2019.

O presidente da Câmara de Guimarães disse, ontem, que apesar de todos os esforços que têm sido feitos para que a construção do novo Campus da Justiça se inicie, até ao momento, não há respostas formais à autarquia por parte do Governo, após o anúncio realizado em Conselho de Ministros.

Domingos Bragança falava na conferência de imprensa após a reunião do Executivo Municipal, na qual perspetivou o próximo ano e justificou o atraso do procedimento para início das obras do Campus da Justiça. «Este investimento já devia estar resolvido, é fundamental para o funcionamento dos Tribunais em Guimarães e é um compromisso de palavra, de honra, de contrato formal e de deliberação do Conselho de Ministros», afirmou Domingos Bragança, lembrando que foram disponibilizados pelo município dois lotes para a construção do Campus da Justiça, e foi ainda realizado um estudo de viabilidade urbanística e funcional pela Universidade do Minho.

A 4 de maio de 2023, em Conselho de Ministros, realizado em Braga, a ministra da Justiça anunciou um conjunto de medidas aprovadas no âmbito do Plano do Edificado para a Justiça, entre as quais se contava a construção do novo Campus de Justiça de Guimarães.

O dossiê está a ser adiado desde março de 2019, aquando da celebração de um protocolo entre o Município de Guimarães e o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, que estabeleceu as condições para a execução do novo edifício.

Em relação aos projetos para 2024, o presidente da Câmara lembrou a questão da habitação, que está a ser alvo de grande atenção, com a aquisição de 170 casas e com a perspetiva de mais 100, a aguardar financiamento.

No emprego, é vontade de Domingos Bragança que o número de empregos qualificados aumente, com uma remuneração condizente, para que mais jovens se fixem no território vimaranense e nacional.

Na cidade, avançará o Bairro Comercial Digital, já com financiamento garantido, criando-se as condições para que a obra de nivelamento dos passeios e ruas se possa iniciar, na parte norte da Alameda de S. Dâmaso e Toural e rua de Santo António.

O investimento na educação, cultura e ciência é para continuar. A autarquia espera desenvolvimentos nos projetos da Escola-Hotel do IPCA, na Quinta do Costeado; nas obras de requalificação da Fábrica do Arquinho, para futuras instalações dos cursos de Engenharia Aeroespacial e Ciência de Dados da Escola de Engenharia da Universidade do Minho; e na reabilitação das escolas de S. Torcato e Santos Simões.