twitter

Procissão de 300 figurantes atraiu multidão ao Santo António de Martim

Procissão de 300 figurantes atraiu  multidão ao Santo António de Martim
Fotografia DM

Carla Esteves

Jornalista

Publicado em 18 de junho de 2023, às 18:50

Cortejo religioso é um dos aspetos mais aguardados do programa

A majestosa procissão em honra de Santo António, em Martim, congregou hoje uma autêntica multidão vinda não apenas de habitantes da freguesia, mas também das paróquias limítrofes e do centro de Braga.

Os atos religiosos decorreram a partir das 16h00, na Igreja Proquial de Martim, incluindo o terço e o sermão, mas foi a procissão, que contou com  a participação de mais de três centenas de figurantes e vários andores embelezados com flores, que foi o ponto alto da celebração.

Leandro Azevedo, chefe do Agrupamento de Escuteiros de Martim, revelo ao Diário do Minho que a preparação para este grande dia começou no início do mês de maio, tendo tido este ano uma adesão muito significativa da parte das pessoas, que se repercutiu num aumento de inscrições para figurantes, em particular de famílias com crianças.

O responsável realça que tal participação representa um crescimento significativo face à do ano passado, altura em que a majestosa procissão tinha já congregado mais de 200 figurantes.

Além da vertente mais tradicional do cortejo religioso, composta pelos quadros representativos da vida de Santo António, o Agrupamento de Escuteiros de Martim voltoueste ano a apresentar um elemento inovador, como vem sendo já costume.

«Este ano optámos por fazer  uma alusão às Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), na tentativa de dar a conhecer o que está por trás das mesmas, a motivação e os patronos.  Cada quadro procura assim focar um aspeto representativo das JMJ», explicou, esclarecendo que, no total, entre a representação da vida de Santo António e a da JMJ, foram apresentados 24 quadros.

Antes da saída da procissão, durante o sermão, o pregador falou da celebração do Dia Mundial da Criança, lamentando o facto de nesse dia em que se falou dos Direitos da Criança, não ter havido uma abordagem mais profunda acerca do seu principal direito: o direito a nascer.

Argumentou, por isso, que se os pais de Santo António não lhe tivessem dado esse direito ter-se ia perdido uma das maiores personalidades e Santos da História.

Cartaz, concertos e fogo de artifício ajudaram ao sucesso da festa

Além das festividades religiosas, Martim voltou, este ano a vivenciar seis dias de autêntica festa popular com envolvimento da comunidade, animada por elementos chave como um cartaz de artistas apelativo e um programa repleto de números, que voltaram a conquistar os convivas.

Os cantores Sérgio Rossi e José Cid e o humorista João Seabra foram alguns dos nomes mais apelativos de um cartaz que contou com os Djs MC Hugo Adrião e MC Marco Ferr e uma sessão de fogo de artifício. Destaque ainda para a nossa etnografia, com a  realização de um Festival de Folclore, ontem à noite, com a atuação do Rancho Folclórico de Santa Marinha de Mogege e do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Martim.

Paulo Falcão, da Comissão de Festas de Martim, adiantou que este ano o investimento total nas festividades rondou os 80 mil euros, sendo que a maior fatia foi gasta nos nomes do cartaz.

Mais uma vez seguiu-se o modelo de anos anteriores, sendo seis os casais eleitos para a Comissão de Festas, um grupo que, este ano, inicia um “mandato”  que se prolonga por três anos.

A Comissão de Festas realça ainda que se trata de um trabalho feito pela comunidade e para a comunidade, prolongando assim uma tradição que de ano para ano atrai mais pessoas a Martim, conciliando as vertentes religiosa e profana.