twitter

PSP alerta para aumento das burlas “Olá pai, olá mãe”

PSP alerta para aumento das burlas “Olá pai, olá mãe”
Fotografia Unsplash

Agência Lusa

Agência noticiosa

Publicado em 22 de novembro de 2023, às 13:51

O número de burlas informáticas e de telecomunicações em Portugal quase duplicou em quatro anos.

O número de burlas informáticas e de telecomunicações em Portugal quase duplicou em quatro anos, segundo os dados divulgados esta quarta-feira pela Polícia de Segurança Pública (PSP). A força de segurança alerta, em particular, para o aumento dos casos de burla “Olá pai, olá mãe”.

Em 2019, verificaram-se 6 758 casos de burla informática e nas telecomunicações, um valor que subiu para os 10 910 entre janeiro e outubro deste ano, refere a direção nacional da PSP. Em 2022, o número total deste tipo de burlas atingiu os 11 241 casos.

O número de detidos passou de dois em todo o ano de 2019 para 31 até outubro deste ano, com o número de suspeitos a subir de 251 para 390, no mesmo período. “De entre os potenciais riscos a que, inevitavelmente, os utilizadores se expõem com o uso das novas tecnologias, a PSP destaca este ano a burla que ficou conhecida por ‘Olá pai, olá mãe’, cujo número de ocorrências tem vindo a aumentar”, pode ler-se no comunicado.

Os suspeitos utilizam maioritariamente a plataforma de mensagens Whatsapp e apresentam-se como um familiar muito próximo - normalmente filhos ou filhas - da potencial vítima e pedem dinheiro, alegando que mudaram de número. “As ocorrências sinalizadas registam-se por todo o território nacional, com especial incidência nas zonas urbanas de maior densidade populacional”, alerta a PSP, salientando que a troca de mensagens “poderá manter-se durante horas, com conteúdo informal e registos do dia-a-dia, com o intuito de avaliar a relação de proximidade entre a potencial vítima e o seu descendente”.

As autoridades recomendam a qualquer pessoa que, quando confrontada com algo do género, tente fazer uma chamada de voz para o número, “a primeira e mais rápida forma de prevenção e de despiste de que poderá estar a ser alvo de uma tentativa de burla”.

A PSP pede as vítimas não realizem qualquer transferência de dinheiro “sem, pelo menos, previamente conseguir falar de viva voz e reconhecer a pessoa com quem pensa estar em conversação” e, nos casos em que isso não seja possível, devem fazer perguntas simples que o seu interlocutor deveria conhecer, como datas de aniversário ou outra informação pessoal. “As burlas constituem um fenómeno criminal em crescendo, em contraciclo com a tendência da criminalidade geral no nosso país” e “apesar da existência de um maior acesso à informação e uma população mais informada, o célebre ‘conto do vigário’ continua a ser uma forma eficaz de obtenção ilegítima de valor patrimonial alheio”, alerta a PSP.

Segundo as autoridades, “os idosos continuam a ser as principais vítimas de vários tipos de burlas praticadas pelos suspeitos”, mas, nos últimos anos, “acompanhando a evolução tecnológica e as potencialidades do mundo digital”, os suspeitos “têm atingido outro tipo de vítimas”.