twitter

Governo faz balanço positivo dos primeiros dois meses da semana de quatro dias

Governo faz balanço positivo dos primeiros dois meses da semana de quatro dias
Fotografia Unsplash

Agência Lusa

Agência noticiosa

Publicado em 10 de agosto de 2023, às 09:48

Há indicações de que trabalhadores e organizações estão satisfeitos.

Cerca de dois meses após o arranque do projeto-piloto da semana de quatro dias, o secretário de Estado do Trabalho, Miguel Fontes, faz um balanço positivo da iniciativa. O responsável afirma ter indicações de que trabalhadores e organizações estão satisfeitos.

O balanço final sobre a experiência que abrange 39 empresas e cerca de mil trabalhadores, e que arrancou a 5 de junho, será feito só ao fim dos seis meses do projeto. No entanto, o secretário de Estado do Trabalho, que esta quarta-feira visitou uma das empresas aderentes, a Crioestaminal, em Cantanhede, disse à Lusa ter, para já, "indicações positivas" por parte dos participantes.

"As informações que nos vão chegando (...) são indicações muito positivas, em que as pessoas que estão a ser abrangidas pela semana de quatro dias estão particularmente satisfeitas com essa possibilidade, sentem que, de facto, a qualidade do seu trabalho e da sua vida em conjunto melhorou", afirmou o governante. "Do ponto de vista das organizações, aquilo que nos testemunham é que isto obrigou a redesenhar processos de trabalho, a reorganizar metodologias de trabalho, mas que não sentem, para já, que haja qualquer resultado menos positivo pelo facto de terem aderido à semana dos quatro dias", acrescentou, reforçando, no entanto, que "ainda é cedo" para uma avaliação final.

Segundo Miguel Fontes, a experiência nestas empresas poderá mostrar que, com a semana de quatro dias de trabalho, "o absentismo diminui, que o nível de atratividade dessas empresas aumenta e que conseguem reter talento", tornando-se mais competitivas.

O projeto-piloto da semana de quatro dias arrancou a 5 de junho, com a adesão de 39 empresas e cerca de mil trabalhadores. Em causa está a terceira fase do projeto-piloto e, segundo avançou na altura o Ministério do Trabalho à Lusa, as 39 empresas estão "distribuídas por 10 distritos", com Lisboa, Porto e Braga a serem "as principais localizações das empresas".

Entre estas 39 empresas "está um instituto de investigação, uma creche, um centro de dia, um banco de células estaminais que trabalha sete dias, e empresas do setor social, indústria e comércio", refere a mesma informação, detalhando que "ao todo, o piloto arranca com cerca de mil colaboradores".

O projeto tem como objetivo a avaliação da implementação da semana de quatro dias, com a correspondente redução do número de horas de trabalho, sem diminuição da retribuição, sendo dirigido às entidades empregadoras e respetivos trabalhadores que a ele queiram aderir voluntariamente, de acordo com a portaria publicada em Diário da República. Está previsto que as entidades que se inscreverem no programa-piloto são avaliadas antes, durante e após o programa, através de indicadores relativos à empresa, como a produtividade e custos intermédios, e aos trabalhadores, incluindo a saúde e bem-estar.

O IEFP – Instituto de Emprego e Formação Profissional assume os encargos e as despesas associadas ao desenvolvimento do programa-piloto até ao montante máximo global de 350 mil euros.