Fotografia: Luísa Teresa Ribeiro

Exposição inédita de Steven Meisel põe a Corunha na moda

Correspondendo aos três pilares de atuação da Fundação Marta Ortega Pérez, que centra a sua atividade na Corunha, na fotografia e na moda, a exposição “Meisel93” representa um feito histórico.

Luísa Teresa Ribeiro*
26 Nov 2022

A Corunha apresenta, até 1 de maio de 2023, a primeira grande exposição do lendário fotógrafo de moda Steven Meisel, colocando a cidade galega nos roteiros internacionais da arte e da moda. Linda Evangelista, Naomi Campbell, Claudia Schiffer e Carla Bruni fazem parte de um conjunto de mais de 120 fotos, tiradas em 1993, ano marcado pela impressionante explosão criativa do impulsionador das inolvidáveis supermodelos.

A mostra “Steven Meisel 1993 A Year in Photographs” é da responsabilidade da presidente do grupo Inditex, Marta Ortega Pérez, através da fundação que surgiu na sequência da exposição de Peter Lindbergh, que recebeu mais de 110.000 visitantes entre dezembro de 2021 e março de 2022.

Tão famoso quanto misterioso, Steven Meisel anuiu ao pedido de Marta Ortega Pérez para a realização desta exposição, fruto de uma relação pessoal de admiração e respeito mútuos. O prestigiado fotógrafo de moda tem assinado os catálogos da Zara desde a coleção primavera-verão de 2017.

Correspondendo aos três pilares de atuação da Fundação Marta Ortega Pérez, que centra a sua atividade na Corunha, na fotografia e na moda, a exposição “Meisel93” representa um feito histórico, ao levar à cidade galega uma mostra que todas as grandes capitais mundiais gostariam de poder receber.

A inauguração pôs a cidade a correr o mundo, pois tornou-se num evento de “glamour” de escala global. Depois da apresentação às autoridades locais, no dia 16 de novembro, houve um evento com a presença de destacadas personalidades do mundo da moda, tais como Naomi Campbell, Christy Turlington, Natalia Vodianova, Amber Valletta, Irina Shayk, Honor Fraser, Karlie Kloss, Pat e Anna Cleveland, Karen Elson, Anna Sui e Coco Rocha.

Saskia Lawaks

A iniciativa decorreu no porto da Corunha, mais especificamente no Muelle de la Batería, onde a mostra está patente ao público, num espaço com a assinatura da arquiteta  Elsa Urquijo. Os convidados foram recebidos pela gastronomia do Culler de Pau, com assinatura do chef duas estrelas Michelin Javier Olleros, tendo contado com a animação musical de Lous and the Yakuza.

Na sexta-feira, dia 18 de novembro, foi a vez da apresentação à comunicação social, com uma visita guiada por Jimmy Moffat, agente de Steven Meisel, e Michael Benson, que assina o catálogo da exposição.

Jimmy Moffat explicou que ao longo dos anos Steven Meisel teve pequenas exposições, mas nenhuma com esta escala. O agente revelou que o fotógrafo aceitou o convite para esta mostra porque «confia e admira tanto» Marta Ortega Pérez que sentiu que «estava seguro nas suas mãos e que seria feito um excelente trabalho, tal como veio a acontecer».

Colocou-se, então, a questão de se saber que exposição iria ser feita, tendo Steven Meisel recusado a realização de uma retrospetiva, que dava a ideia que o fotógrafo de 68 anos tinha morrido. 

Ao olhar para o arquivo sobressaiu 1993, ano em que Steven Meisel fez 28 capas da “Vogue” – em destaque no início da exposição – e mais de 100 editoriais de moda. Para que se perceba a dimensão destes números, Jimmy Moffat diz que é como se um músico tivesse lançado 40 álbuns e um escritor editado 30 romances num ano.

Definido o conceito, o estúdio de Steven  Meisel selecionou mais de 100 retratos a personalidades do mundo da moda e do cinema, como Linda Evangelista, Carla Bruni, Naomi Campbell, Hamish Bowles, Kyle MacLachlan, Claudia Schiffer, Jaye Davidson, Barbra Streisand, Marlon Richards, Isabella Blow, Amanda Harlech ou Twiggy, mostrando que, apesar de estarem prestes a fazer 30 anos, estas imagens são intemporais.

Para que se conheça melhor o génio criativo, Moffat conta que os anos sessenta eram um tempo muito excitante para se crescer em Nova Iorque, com todas as mudanças que estavam a acontecer. Steven Meisel cresceu «obcecado» pela moda, pela fotografia de moda e particularmente pelas modelos. 

Na adolescência, faltava às aulas para ir para a porta das agências com a sua máquina fotográfica instantânea Instamatic tirar fotografias às modelos. São algumas destas fotos que estão patentes ao público pela primeira vez nesta exposição. 

No espaço inicial dedicado ao período entre 1983 e 1992, não falta a icónica foto de Madonna, lembrando que Meisel assinou as fotografias que ilustraram o famoso livro “Sex”,  que a cantora lançou em 1992.

A formação como ilustrador de moda, a sua primeira atividade profissional, deu-lhe conhecimentos sobre as formas, as linhas e os gestos, que se refletem nas suas imagens. 

Steven  Meisel tornou-se numa autêntica enciclopédia de conhecimento relativo às modelos, cabelos, maquilhagem ou poses. Enquanto outros fotógrafos precisam de apoio para os cabelos ou maquilhagem, Meisel é uma espécie homem dos sete instrumentos, uma orquestra completa, que sabe exatamente o que quer e como consegui-lo.

No périplo pelas fotografias, nota para a trabalho desenvolvido para a “Vogue Italia”, no qual contou com o apoio permanente da diretora da revista, Franca Sozzani. 

Jimmy Moffat destaca também o trabalho de 60 páginas de moda masculina feita para a “Per Lui”, um marco nesta área. Este responsável refere que as revistas masculinas eram muito conservadoras, representando figuras estereotipadas que não refletiam a realidade social. Meisel faz uma rutura com essa imagem, apresentando «retratos mais reais, mais sensíveis e mais criativos» dos homens jovens.

O agente nota que, ao longo de 1993, Meisel fotografou Linda Evangelista diversas vezes, havendo mais fotografias dela nesta exposição do que de qualquer outra modelo. «Estabeleceram uma relação incrível», revela. 

Linda Evangelista é um exemplo das transformações que o fotógrafo gosta de fomentar, sendo ponto assente que procura sempre que qualquer modelo brilhe mais do que nunca.

A visita guiada levanta o véu sobre os fascinantes bastidores das fotografias. Fica-se, então, a saber que, com 12 ou 13 anos, Meisel foi ao estúdio onde Twiggy estava, tendo conseguido uma fotografia autografada pela modelo, que na época teria 17 ou 18 anos. O fotógrafo acabaria por trabalhar com a modelo, estando a imagem patente nesta exposição.

As deliciosas histórias por detrás das fotos incluem o início da carreira de Stella Tennant, quando esta ainda não estava interessada em ser modelo, a sessão em que Barbra Streisand demorou a sair do carro porque achava que o porto de Nova Iorque onde iam ser tiradas as fotos estava demasiado sujo ou o cão de Azzedine que aparece numa fotografia com Isabella Blow em Paris. 

A exposição tem entrada livre, podendo ser visitada até 1 de maio de 2023. Mediante o pagamento de 5 euros, há visitas guiadas, que se realizam às 11h00 e 18h00 às terças, quartas, sextas e sábados, e às 11h00 aos domingos, podendo a reserva ser feita na página da exposição em https://meisel93-coruna.com

Os donativos dos visitantes e o dinheiro gerado pela venda de “merchandising”, que pode ser adquirido no café-loja Silo, localizado junto à exposição, vão ser utilizados para o projeto “Future Stories”, que visa apoiar criadores nas suas carreiras artísticas.

*Em Ourense, a convite da Fundação MOP





Notícias relacionadas


Scroll Up