Fotografia: Arquivo DM

Braga aumentou em 35 cêntimos o valor do apoio a famílias pobres

Nos últimos 12 meses, o maior volume de apoios de RSI atribuído pelo Centro Distrital de Braga ocorreu, precisamente, em dezembro de 2018. Desde então, a descida tem sido feita de forma consistente.

Joaquim Martins Fernandes
30 Jan 2020

O valor médio do Rendimento Social de Inserção pago pelo Centro da Segurança Social Distrital de Braga às famílias que vivem em situação de pobreza cresceu 35 cêntimos em 2019 face ao ano anterior. Os 3065 agregados familiares que receberam em dezembro último o subsídio que estado destina aos maios pobres traduzem uma descida de quase 8 por cento face a dezembro de 2018.

Os dados foram revelados pelo Instituto da Segurança Social (ISS) e fazem saber que, no último mês de 2019, as 3065 famílias do distrito de Braga que beneficiaram do pagamento da prestação do Rendimento Social de Inserção (RSI) receberam, em média, 250,83 euros. Foram mais 35 cêntimos que o valor médio dos apoios pagos em dezembro de 2018, que se cifrou nos 250,48 euros. Contas feitas, as famílias que vivem em situação de pobreza extrema tiveram um aumento de 0,14 por cento, que é o equivalente a metade do custo de um café.
Em média, cada agregado familiar bracarense recebeu um apoio financeiro mensal inferior em 3,3 por cento ao apoio médio atribuído aos 94 mil 627 agregados familiares dos 308 concelhos portugueses que estão a ser apoiados pelo RSI e que receberam um valor médio de 259,43 euros, ou seja, mais 9 euros mensais que os residentes no distrito de Braga.

No último mês do ano passado, o Centro Distrital da Segurança Social processou subsídio de RSI a 6133 cidadãos dos 14 concelhos do distrito de Braga, valor que compara com os 6641 que, em dezembro de 2018, receberam o subsídio destinado aos mais pobres.
[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up