Fotografia: Nuno Cerqueira
Caminho de Santiago do Noroeste e Rota do Vinho Verde aumentam hóspedes no Norte

Estudo da UMinho refere-se à evolução de hóspedes num período de 15 anos, entre 2003 e 2017.

Lusa
7 Ago 2019

Os municípios do Norte que integram o Caminho de Santiago do Noroeste e a Rota do Vinho Verde têm em média 90% e 73,6%, respetivamente, mais hóspedes do que os restantes, conclui um estudo da Universidade do Minho.

“O facto de um município estar presente no Caminho de Santiago do Noroeste traduz-se, em média, num volume de hóspedes maior em aproximadamente 90% do que os municípios que não se encontram neste caminho”, lê-se nas “Conclusões Finais” da tese da Universidade do Minho intitulada “O Cenário Turístico no Porto e Norte de Portugal – Fatores de Atração do Turismo”.

O estudo comparou os hóspedes dos 86 municípios do Norte com três Caminhos de Santiago (Caminho Central, Caminho do Noroeste e Caminho de Celanova).

Outra conclusão do trabalho da autoria de Caio Gomes Martins, ao qual a Lusa teve hoje acesso, é que a Rota do Vinho Verde é um atrativo maior para a região Norte de Portugal nos últimos 15 anos, quando comparado com as rotas de vinhos do Douro e de Porto.

“A existência da Rota do Vinho Verde traduz-se, em média, no “número de hóspedes nos municípios presentes nesse percurso em 73,6% superior ao daqueles [município] que não estão inseridos nessa rota”.

Em entrevista telefónica à Lusa, Caio Gomes Martins destacou que outra das conclusões do estudo revela que o aumento de “uma unidade” de alojamentos destinados ao turismo “aumenta o número de hóspedes em 2%”.

A relação positiva entre o número de oferta hoteleira e o número de hóspedes em cada município é considerada “uma variável positiva”, porque quanto mais oferta houver de hotéis ou outros alojamentos, maior o número de hóspedes, porque há mais “qualidade” e “preços mais concorrenciais”, explica o economista.


Os municípios que têm uma presença maior de edifícios culturais, como museus e ou galerias de arte, também são mais atrativos para a questão do aumento de hóspedes na região Norte. O estudo refere que o efeito do número de galerias de arte e museus “aumenta, em média 1,5%, o número de hóspedes”.

Em 2017, havia apenas 10 municípios com população superior a 10o mil habitantes no Norte e que, ordenados em ordem decrescente, são em primeiro lugar Vila Nova de Gaia, seguida por Porto, Braga, Matosinhos, Gondomar, Guimarães, Santa Maria da Feira, Maia, Vila Nova de Famalicão e Barcelos.




Notícias relacionadas


Scroll Up