Espaço do Diário do Minho

Os riscos em dar à “costa”…
3 Set 2018
Albino Gonçalves

Indesmentível, digam lá o que lhes vai na “alma” com ou sem rigor, é que o primeiro-Ministro António Costa entrou em insolvência na promessa eleitoral ao cativar o regresso dos cerca de 800 mil emigrantes que entre 2011 e 2017 partiram mundo fora.

Enquanto o seu antecessor Pedro Passos Coelho fortalecia a ideia da saída do recursos humanos qualificados do país como medida alternativa ao mercado nacional de trabalho, sabendo-se do abissal desemprego instalado no território, o líder do governo “geringonça”, aquando da sua candidatura ao cargo de primeiro-Ministro, iludia com utopia e magia ao seu estilo de bom pregador (de partidas), ter encontrado o remédio santo milagroso para o retorno de centenas de milhares de portugueses desesperados e “mutilados” na estrutura organizacional da vida social, profissional e pessoal.

António Costa, desejoso de expurgar o passado governamental do seu antecessor com os “mundos e fundos” do executivo “geringonça”, veio à tona do oceano, acenando revigorado e insistindo numa questão pouco credível de que o mercado de emprego no território nacional está melhor, credível, qualitativo, justamente remunerado e adequadamente definido no âmbito vinculativo. Um engodo!

Como não tem condições para garantir a essência da esperança do retorno dos arrojados cidadãos a trabalharem fora do seu país noutros contornos políticos, promete-lhes benesses propensas a interpretações distorcidas se não forem devidamente explicadas à comunidade residencial não emigrada, nomeadamente os tais 50% de redução no IRS e subsídios de habitação para todos os portugueses retornados.

Ocasionalmente residente no Reino Unido em vias de “brexit” assumido com a UE, achei curioso passar uns bons momentos de reflexão com alguns conterrâneos em terras de Sua Majestade, num ambiente saudável à mistura de um café bem português, tentando compreender os prós e contras num debate de opiniões sobre as intenções do “comendador” primeiro-Ministro de Portugal.

Posta a questão em cima da mesa – se com estes fantásticos incentivos anunciados pelo líder da governação de Portugal voltavam ao seu país –, a resposta generalizada, salvo raras excepções, foi de desconfiança e de riso satírico e bem humorado. Seria um absurdo abandonar um projecto sólido de envolvimento estrutural em situações estáveis de emprego, bem pago e nalguns casos com horários flexíveis.

Por outro lado, a mitigação da injustiça social e salarial funciona como pilar de iliteracia cultural do empresário, ainda habituado à precariedade do emprego dos seus colaboradores e sem cariz de honestidade na valorização técnica e científica do seu quadro de recursos humanos.

Vai ser muito difícil absorver o retorno dos emigrantes portugueses qualificados ou os apelidados “fuga de cérebros”, mesmo proporcionando-lhes uma embalagem de “rebuçados de mel” para a criação de carreira por mérito, apoios habitacionais ou “regalias” fiscais para susbtituir aqueles que estão felizes em países de acolhimento, com famílias constituídas e plenamente integradas.

Partilhamos a mensagem do Presidente da República, quando alude que todas as medidas contributivas para o regresso dos emigrantes portugueses são bem-vindas, contudo, não esqueçamos repensar se Portugal está realmente num “estado de graça” para não defraudar mais uma vez aqueles actualmente desafogados das péssimas condições sofridas no seu país de origem e desfigurados do dever constitucional de ajuda nunca alcançada.

Voltar a Portugal são riscos de dar à “Costa” litoral de águas turvadas sem segurança e banhada de “ervas daninhas” nocivas aos direitos da cidadania de quem ainda tem boa-fé na politização obsoleta irremediavelmente igual a tudo como dantes diversificando o plantio das circunstâncias.



Mais de Albino Gonçalves

Albino Gonçalves - 17 Jun 2019

O país grassa em alegados casos de corrupção, evidenciando nestes últimos dias com as notícias vindas a público, o mau exemplo representado pelas autarquias envolvidas neste tipo de criminalidade. O Conselho de Prevenção da Corrupção não tem mãos a medir, sabendo-se que o ano de 2018 registou 604 casos, entre os quais 288 com relação […]

Albino Gonçalves - 10 Jun 2019

A actual ministra da Saúde teve a coragem de anunciar que, nesta legislatura ,vai ser muito difícil cumprir as metas anunciadas no programa eleitoral do PS no âmbito do Serviço Nacional de Saúde no tocante aos médicos de Saúde Familiar para todos os portugueses e a consolidação das reformas estruturais que perturbam a qualidade assistencial […]

Albino Gonçalves - 3 Jun 2019

Está tudo dito, analisado e comentado, cada qual ao seu estilo e palato político. As eleições europeias em Portugal bateram um recorde abstencionista próximo dos 69% a nível nacional e o 3.º entre os Estados Membros da UE, ou seja, em cada dez portugueses, sete optaram por virar as costas ao seu dever de cidadania […]


Scroll Up