Espaço do Diário do Minho

Mulheres e homens para 2018
7 Jan 2018
Eduardo Jorge Madureira Lopes

Por esta altura, multiplicam-se os balanços. Podem servir para selecionar as palavras ou os números do ano; os acontecimentos; os concertos, as exposições, os filmes e os livros; as personalidades. Entre o fim de um ano e o início de outro, foram várias as publicações que quiseram chamar a atenção para mulheres e homens do passado e do presente que poderão ser inspiradoras em 2018.

A revista Psychologies elegeu “20 mestres de vida”. A lista inclui gente muito variada: uma filósofa, Hannah Arendt; um cientista, Albert Einstein; um santo, Francisco de Assis; uma judia morta num campo de concentração, Etty Hillesum; um psicanalista, Jacques Lacan; um filósofo, Emmanuel Lévinas; um aviador e escritor, Antoine de Saint-Éxupery; e uma santa, Teresa de Ávila.

Outra revista, Le Monde des Religions selecionou “22 mestres de sabedoria”, apresentados como “fontes de inspiração intemporais”. A lista começa em Confúcio e termina em Thich Nhat Hanh, um monge budista. Pelo meio há sábios judaicos, Baal Shem Tov ou Martin Buber; cristãos, Hildegard von Bingen ou Francisco de Assis; e islâmicos, Ibn Arabi. Outros, como Ramana Maharshi, Jiddu Krishnamurti, Mahatma Gandhi e Ma Andanda Moyi, vêm do Oriente. De África, chega Nelson Mandela e, dos Estados Unidos da América, Martin Luther King.

A escolha da Aleteia recaiu nas 10 pessoas que deram a vida pelos outros em 2017. Uns não são totalmente desconhecidos. É o caso de Ignacio Echeverría e de Henri Burin des Roziers. O primeiro, “o ‘herói do skate’ dos atentados de Londres”, no dia 3 de Junho, em vez de fugir, enfrentou e lutou contra um terrorista, salvando assim a vida de várias pessoas que conseguiram escapar. Morreria depois esfaqueado por outros terroristas.

O segundo, “advogado dos camponeses no Brasil” defendeu os camponeses injustamente presos, torturados e, muitas vezes, assassinados e as suas famílias. Conseguiu, no ano 2000, que, pela primeira vez, um fazendeiro fosse condenado pelo assassinato de um líder sindical, o que lhe valeria abundantes ameaças de morte, tendo sido prometida uma recompensa de 50 mil reais a quem o matasse. Burin des Roziers morreu em Paris em Novembro.

Sobre, por exemplo, Gaetano Nicosia, “o ‘anjo dos leprosos’ na China”; Sudha Varghese, “a libertadora das ‘intocáveis’ na Índia”; Marta Mya Thwe, “a ‘Madre Teresa da Birmânia’”; Christopher Hartley, que quer levar água potável aos etíopes; Rafała Włodarczak, “‘mãe dos órfãos’ do conflito entre palestinianos e israelitas”; Rosemary Nyirumbe, que luta por um futuro digno para as meninas-soldado do Uganda; e Paolo Cortesi, acolhedor de refugiados; terá sido difícil ter lido ou escutado alguma notícia.

A revista Géo apresenta um número especial sobre os “heróis que mudam o mundo”, dando conta do trabalho admirável que empreendem em cinco áreas. A “preservar a Terra”, encontram-se Sarah Toumi, que quer reverdejar a Tunísia e dar trabalho às agricultoras; Cary Fowler, criadora, na Noruega, de um “cofre-forte” da biodiversidade, que recebe sementes do mundo inteiro; e Valérie Cabanes, uma jurista que defende povos autóctones face aos abusos das multinacionais mais poluentes.

A “melhorar o quotidiano”, estão Bunker Roy, fundador de uma ONG indiana que dá formação em engenharia solar a mulheres analfabetas, para iluminar as povoações isoladas e desprotegidas; e Jack Sim, que se bate para que toda a gente tenha acesso a quartos de banho. A “transformar o espaço urbano”, estão Kimbal Musk, um pioneiro da agricultura urbana nos Estados Unidos da América, e Daan Roosegaarde, um designer que concebeu torres despoluentes para tornar as cidades mais belas e mais limpas.

A “cuidar dos vivos”, apresentam-se Conor Walsh, um sobredotado da robótica médica, que forjou um dispositivo que recupera mais rapidamente as vítimas de AVC; Andrew Bastawrous, que salva os olhos com um smartphone, ao diagnosticar atempadamente as patologias oculares das populações africanas isoladas; Alain Brunet, um psicólogo empenhado em curar traumas; e Mehmet Yigit, um químico que concebeu um teste rápido e barato para despistar o vírus do Ébola.

Por fim, a “defender uma ética”, temos Latifa Ibn Ziaten, uma mãe que se tem manifestado contra a radicalização islamista; Laxmi Agarwal, uma indiana que, depois de ter ficado desfigurada por causa de um ataque com ácido, decidiu ajudar as mulheres a quem ocorreu o mesmo; e Silva Watt-Cloutier, um esquimó empenhado em salvar os povos do Árctico.

Não falta gente que vale a pena conhecer, mulheres e homens exemplares, que ajudam a construir um mundo melhor.



Mais de Eduardo Jorge Madureira Lopes

Eduardo Jorge Madureira Lopes - 12 Ago 2018

Onde estarão os filhos do embaixador do Iraque agora que tanto precisávamos deles? Há dois anos, mais ou menos por esta altura de Agosto, sabíamos onde os poderíamos encontrar. Nessa ocasião, um canal televisivo descobriu-os, entrevistou-os e ficou a saber que eles não sairiam do sítio em que se encontravam. Os filhos de embaixador do […]

Eduardo Jorge Madureira Lopes - 5 Ago 2018

Entre o que mais impressiona na obra Memorial de São Gens de Calvos, emerge a força testemunhal das múltiplas vozes que, em múltiplas ocasiões, amplificam outras vozes vindas, não raramente, de tempos remotos. Todas encontram adequado eco na escrita do autor. Conjugam-se essas vozes como que compondo uma portentosa polifonia sobre uma freguesia da Póvoa […]

Eduardo Jorge Madureira Lopes - 8 Jul 2018

Olhando para o cabeçalho do exame final de História A do 12.º ano, poder-se-á estranhar que, junto de indicações compreensíveis, como o tempo de duração da prova e o de tolerância, apareça, numa linha, a referência ao “Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho”. Supondo que os examinandos ainda não se fazem acompanhar por advogados, […]


Scroll Up