twitter

Os netos que paguem a dívida…

Vejamos algumas incidências a curto, médio e longo prazo desta pretensão tão "progressista":  

– Com que autoridade – embora seja um ato de poder – pode além prorrogar uma dívida para governos que podem não ter a mesma orientação política e económica? Quer isto dizer que teremos de suportar os mesmos – isto é, os de agora – durante tanto tempo, dado que foram eles que nos meteram neste colete-de-forças? Onde estará, então, a alternância democrática? 

– Uma opção desta natureza não pode ser tomada de forma unilateral, sem o acordo bem concertado dos outros partidos e forças sociais? O perfil democrático – apelidado por forças apoiantes desta forma de governação – do "posso, quero e mando" – só é contestado quando se está fora do arco do poder? Não andarão por aí uns laivos de ditadura encapotada?

– Há crianças cujos pais ainda nem nasceram e já estão endividadas com encargos para os quais não contribuíram minimamente. Teremos direito de lhes deixarmos tal herança ainda não herdada?

= Deixemos, por momentos, estas conjeturas e fixemo-nos nos dados do dia a dia: Ainda esta manhã vi dezenas de pessoas à porta duma repartição de finanças… hoje é o último dia útil para pagar alguns impostos, talvez o IMI ou sobre veículos com matrícula deste mês… Porque deixou esta gente para o último dia o acerto de contas com as finanças? Será defeito ou feitio, isto de deixar para a última hora as obrigações, sobretudo, de pagamentos? Não será preciso uma nova educação social e coletiva, quando toca a honrar os compromissos? Por que temos de andar na aflição e à pressa, quando sabemos o que temos de fazer e a pagar?

Atendendo às vicissitudes da nossa conjetura económico-financeira custa a crer que já tenhamos adquirido a consciencialização de que ninguém dá nada a ninguém sem cobrar os seus direitos. Assim tem sido com as ajudas da UE e as largas benesses em dinheiro a rodos lançado para este país. Em certas épocas chegou a ser de nove milhões de euros por dia… entre 1986 e 2011. Que fizemos disso? Gastamo-lo em coisas essenciais ou andamos a ostentar de rico sem consistência de finanças… públicas e privadas? Depois das estradas e dos estádios de futebol o que é que ficou na nossa mentalidade de ajudados, menos bons trabalhadores e (quase) incapazes de gerirmos o que nos foi subsidiado? 

Antes davam-nos dinheiro e gastávamos, prestando contas mais tarde. Agora, no "projeto 20/20" temos de apresentar contas (com tudo registado e regularizado) e só depois recebemos a comparticipação já decidida, mas em definitivo desbloqueada… Com efeito, foram "estes marroquinos do norte" que fizeram com que a Europa rica nos tivesse de colocar sob alçada de rigoroso controlo, nalguns casos desconfiando das nossas capacidades e arbitrados por regras mais exigentes do que para com outros…

= Não deixa de ser um tanto patético que uns pretensos "sábios" dum apelidado "grupo de trabalho para a negociação da dívida" venham trazer um novo alento aos caloteiros nacionais, pois se nos aceitarem tal projeto, lá fora, estaremos a salvo de termos de cumprir os mais mínimos compromissos, cá dentro, na medida em que os mais novos terão de assegurar as dívidas para as quais não foram tidos nem achados, empurrando para quem vier atrás e seja capaz de ter vergonha por si e pelos seus antepassados. Não foi de entre os atuais governantes (secundários) que veio a proposta em não pagar a dívida? Não são parceiros de conluios outros que propagam o resgate sem honra nem face? Não foram do tal "grupo de trabalho" economistas dialéticos e diletantes?

Como cidadão tenho vergonha de deixar aos meus descendentes indiretos responsabilidades a que eles não estão obrigados moralmente. Não nos tentem enganar mais, pois a verdade vencerá! 

 


Autor: A. Sílvio Couto
DM

DM

7 maio 2017