twitter

Braga e todo o Minho ficaram mais pobres

Faleceu, no passado dia vinte do corrente mês de janeiro, aos 87 anos de idade, o Dr. Pedro Rodrigues, conhecido médico cardiologista da cidade de Braga.

Pouca gente conhece verdadeiramente a importância da sua obra. O Dr. Pedro Rodrigues foi o fundador e durante tantos e tantos anos, o Diretor do Serviço de Cardiologia do Hospital de Braga, então Hospital de S. Marcos.

Conheci pessoalmente o Dr. Pedro, como era tratado pelos seus colaboradores, em finais de 82, pouco antes do início do meu internato de cardiologia. Iniciei funções naquele Serviço no início de 83, aquando da inauguração da área de internamento, que não existia previamente.

Assisti a toda evolução do Serviço, ao seu crescimento até atingir o nível que actualmente possui. Este crescimento, passo a passo, só foi possível graças ao esforço, determinação e porque não dizê-lo, à teimosia do Dr. Pedro, ultrapassando todas as dificuldades. Não foi somente o espaço físico que foi crescendo, mas a amizade entre todos os colaboradores, formando uma autêntica família.

Quando, em 2003, assumi a direcção do Serviço, tudo estava facilitado, todo o trabalho complicado estava feito e foi só continuar a sua obra.

Hoje, o Serviço de Cardiologia do Hospital de Braga, é um dos grandes serviços de cardiologia do país, com prestígio e reconhecimento a nível nacional. A sua actividade, de acordo com o “estado da arte”, estende-se, em algumas valências, a todo o Minho, sendo a sua importância fundamental para o tratamento e prevenção da doença cardiovascular nesta região.

O Dr. Pedro, infelizmente deixou-nos, mas a sua obra manter-se-á.

Curiosamente, na manhã do dia do seu funeral, um doente na nona década de vida, dizia-me que no início do mês estivera internado no Serviço de Cardiologia do Hospital de Braga e confidenciava-me “que nunca tinha sido tão bem tratado num hospital como neste Serviço.

Do mais graduado ao menos diferenciado, todos tinha sido de uma dedicação irrepreensível”. Sorri, orgulhoso naturalmente, e pensei: “eis o legado do Dr. Pedro Rodrigues”.

Bem-haja, Dr. Pedro e obrigado, em meu nome e da cidade de Braga, que está, julgo, em dívida para consigo.


Autor: Adelino Correia
DM

DM

26 janeiro 2019