twitter

As pessoas e as coisas

1.As pessoas e as coisas ou as coisas e as pessoas?

Segundo o relato bíblico (Génesis 1) Deus criou primeiro as coisas. Mas fê-lo a pensar no ser humano. Construiu um jardim para que, nele, o ser humano se sentisse feliz.

2.As pessoas devem ocupar o primeiro lugar. Sempre. É para as pessoas que as coisas existem. Para se servirem delas e não para as servirem.

Às vezes há uma exagerada preocupação com as coisas, colocando as pessoas num local secundário.

Que adianta, na família, ter os filhos rodeados de coisas se os pais estão ausentes? Se, para lhes darem coisas, não têm tempo para os ouvir nem para lhes fazer companhia?

A exagerada preocupação com as coisas pode fazer com que se coloque o ter acima do ser.

3.Ouvi um dia ao responsável por uma instituição: se não vir obras o povo não dá dinheiro. Com certa malícia, de que me não penitencio, concluí: o importante é que o povo dê dinheiro. Servi-lo é secundário.

Há pessoas acometidas pela epidemia daconstrutivite. Fazem-se obras de encher o olho mas de que o povo pagante pouco ou nada beneficia.

Obras mal programadas, ao ponto de se destruir hoje o que ontem se construiu. De se gastar com constantes alterações ao precipitado projeto inicial. Obras perfeitamente dispensáveis se se aproveitasse bem o que já existia.

4.Quem dirige uma comunidade tem o dever de se preocupar com o bem dos seus membros, a começar pelos mais frágeis.

O cuidado da comunidade exige que esta seja dotada das coisas necessárias para que as pessoas se sintam bem.

Uma coisa é comprar e outra, comprar o que faz falta, atendendo ao binómio qualidade/preço. Tendo em conta o interesse da comunidade e não os gostos de quem compra ou o interesse de quem fornece os bens. Melhor fornecedor é o que melhor serve e não o que dá prendas, ou comissões, ou é recomendado pelos amigos.

5.Além das compras, quem dirige poderá ter de elaborar um plano de obras a executar, atendendo ao bem da comunidade e aos meios disponíveis. Um plano exequível. Onde o secundário se não sobreponha ao essencial, e o supérfluo não ocupe o lugar do necessário. Um plano a submeter à apreciação dos membros da comunidade.

Pode haver necessidade de solicitar o contributo dos referidos membros.

Que estes saibam porque contribuem, para que contribuem, que vantagens advêm para a comunidade.

Se quem dirige decide e atua por sua conta e risco, ou estribado apenas no parecer de um grupo restrito de amigos, com que lógica vai solicitar a comparticipação da comunidade inteira?

6.Quem dirige deve ter em conta que a comunidade não carece apenas de obras e bens materiais.Homo non est lapis(um homem não é de pau), como se diz que um celebre estudante escrevia na relação dos gastos que apresentava ao pai.

Mais importante do que levantar paredes é formar pessoas e dar às pessoas boas condições de vida.

Deus colocou o primeiro par humano num jardim. Para que dele se servisse e não para que se limitasse a contemplá-lo. Para que o conservasse e não para que o destruísse.

7.Volto à pergunta inicial: as pessoas e as coisas ou as coisas e as pessoas?

As coisas são para as pessoas e não as pessoas para as coisas.

O cuidado com as coisas deve ter em vista o bem das pessoas. Sacrificar o bom ambiente da família para fazer da casa um espaço recheado de obras de arte de que os membros da família não podem usar, em que mal podem tocar e cuja aquisição foi feita à custa do sacrifício dos membros da família para quem não houve tempo, considero isso um erro. Mas aceito que nem todos pensem assim. Que remédio!...


Autor: Silva Araújo
DM

DM

20 agosto 2020