twitter

Atenção aos pobres 2

1. Falando de novas formas de pobreza o Papa Francisco, na mensagem que citei na semana passada, escreve:

«Penso de modo particular nas populações que vivem em cenários de guerra, especialmente nas crianças privadas dum presente sereno e dum futuro digno».

«Não posso esquecer as especulações, em vários setores, que levam a um aumento dramático dos preços, deixando muitas famílias numa indigência ainda maior. Os salários esgotam-se rapidamente, forçando a privações que atentam contra a dignidade de cada pessoa. Se, numa família, se tem de escolher entre o alimento para se nutrir e os remédios para se curar, então deve fazer-se ouvir a voz de quem clama pelo direito a ambos os bens, em nome da dignidade da pessoa humana».

 


2. E diz também: «Como não assinalar a desordem ética que marca o mundo do trabalho? O tratamento desumano reservado a muitos trabalhadores e trabalhadoras; a remuneração não equivalente ao trabalho realizado; o flagelo da precariedade; as demasiadas vítimas de incidentes, devidos muitas vezes à mentalidade que privilegia o lucro imediato em detrimento da segurança...»

«Não posso deixar de fora, em particular, uma forma de mal-estar que aparece cada dia mais evidente e que atinge o mundo juvenil. Quantas vidas frustradas e até suicídios de jovens, iludidos por uma cultura que os leva a sentirem-se «inacabados» e «falidos»! Ajudemo-los a reagir a estas instigações nocivas, para que cada um possa encontrar a estrada que deve seguir para adquirir uma identidade forte e generosa».

 


3. O Papa lembra aos cristãos o dever de cristãmente servirem os pobres. «Que a nossa solicitude pelos pobres seja sempre marcada pelo realismo evangélico. A partilha deve corresponder às necessidades concretas do outro, e não ao meu supérfluo de que me quero libertar.

Também aqui é preciso discernimento, sob a guia do Espírito Santo, para distinguir as verdadeiras exigências dos irmãos do que constitui as nossas aspirações.

Aquilo de que seguramente têm urgente necessidade é da nossa humanidade, do nosso coração aberto ao amor.

Não esqueçamos: «Somos chamados a descobrir Cristo neles: não só a emprestar-lhes a nossa voz nas suas causas, mas também a ser seus amigos, a escutá-los, a compreendê-los e a acolher a misteriosa sabedoria que Deus nos quer comunicar através deles». 

«A fé ensina-nos que todo o pobre é filho de Deus e que, nele ou nela, está presente Cristo: «Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a Mim mesmo o fizestes» (Mt 25, 40).

 


4. A celebração do Dia Mundial dos Pobres é um despertador de consciências. Os pobres são uma realidade, não apenas uma vez no ano mas sempre.

A prática da caridade exige que se saiba onde se encontram. E os mais carenciados podem não ser os que se apresentam à porta das igrejas. Ainda há pouco tempo foi notícia a existência de uma rede que explorava crianças obrigando-as a pedir esmola nas igrejas e noutros locais públicos.

Na identificação dos pobres e de situações de pobreza fazem um bom trabalho os elementos das conferências vicentinas, das equipas socio-caritativas e de instituições semelhantes.

Há situações de que nem sempre nos apercebemos. Pode haver pobreza no vizinho do lado.

 


5. A celebração do Dia Mundial dos Pobres recomenda, a nível individual, se evitem gastos desnecessários e cumpra o deve de repartir. Lembra que o supérfluo é dos pobres e que a ninguém é lícito colecionar objetos de luxo ou esbanjar quando há pessoas sem o necessário para viverem com dignidade. O dever de repartir pode ser cumprido através de instituições como as que referi.

A nível comunitário leva a pensar no Serviço da Caridade como uma das três grandes áreas da atividade da Igreja e a reler a primeira encíclica de Bento XVI, «Deus é Amor».

 


6. Nota final. Cresce o número de pessoas carecidas do necessário para poderem viver com dignidade. Mas os lucros agregados dos cinco maiores bancos que operam em Portugal somaram 1.994 milhões de euros no primeiro semestre, num aumento de 58,4% em termos homólogos.

Silva Araújo

Silva Araújo

26 outubro 2023