twitter

Santuário do Bom Jesus convida a peregrinar pela paz

Santuário do Bom Jesus convida a peregrinar pela paz
Fotografia

Publicado em 30 de março de 2022, às 17:06

Peregrinação Penitencial regressa no próximo domingo, após dois anos de interregno.

APeregrinação Penitencial ao Bom Jesus, no próximo domingo, 3 de abril, é dedicada à paz no mundo, particularmente na Ucrânia que vive o drama da guerra desde o dia 24 de fevereiro. Depois de dois anos de interregno devido à pandemia de covid-19, esta caminhada de fé a partir da Igreja de Santa Cruz, em Braga, é retomada «com maior vigor e empenho», indica a Confraria que espera novamente a presença de milhares de pessoas. Este ano, os organizadores quiseram dar a esta peregrinação o tema da paz, desafiando a população de Braga e as comunidades paroquiais a unirem-se em oração e fé neste "Peregrinar pela Paz". O apelo da Confraria à participação nesta peregrinação estende-se ainda aos irmãos ucranianos residentes em Braga, a «todos os Cristãos Católicos, Ortodoxos e Protestantes, a todos os homens e mulheres de outras religiões, a todos os homens e mulheres de boa vontade». «Poderão trazer consigo a bandeira da Ucrânia, cores da Ucrânia, ou outros símbolos que demonstram a nossa sintonia pela Paz na Ucrânia, Paz em todo o Mundo e concórdia entre os povos», indica o reitor da Basílica do Bom Jesus, o cónego João Paulo Alves. A concentração está marcada às 15h00, em frente à Igreja de Santa Cruz (Largo Carlos Amarante), em Braga, de onde a procissão sairá em direção ao Bom Jesus. À chegada ao Santuário sairá da Basílica a imagem do Bom Jesus do Monte, adornada num andor, que acompanhará no exterior durante a Eucaristia campal, na lateral da Basílica, junto ao Coreto. A Eucaristia será presidida pelo bispo auxiliar de Braga, D. Nuno Almeida. A imagem do Bom Jesus colocada no andor é a que se encontra na Basílica, na capela lateral, onde rumam diariamente centenas de pessoas durante o ano para momentos de oração, adoração, contemplação, súplica e ação de graças. [Notícia na edição impressa do Diário do Minho]
Autor: Redação