twitter

Viana instala sistema para poupar 200 mil euros por ano em água e energia

Viana instala sistema para poupar 200 mil euros por ano em água e energia
Fotografia

Publicado em 06 de setembro de 2022, às 15:15

Trata-se de um investimento de 50 mil euros em 19 equipamentos municipais.

O presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Luís Nobre, anunciou esta terça-feira um investimento de 50 mil euros para instalação, em 19 equipamentos municipais, de um sistema que vai permitir ao município poupar água e energia.O autarca socialista avançou à Lusa que a instalação do mecanismo vai ser feita de “forma gradual” e vai ter “um impacto imediato, no primeiro ano, ao nível da poupança de 200 mil euros”.

“É uma medida inovadora, que vai implicar um investimento de 50 mil euros. Vamos atuar em 19 equipamentos municipais, desde pavilhões, piscinas, escolas e sapadores bombeiros. Vamos substituir todo o sistema de duche, no sentido não só de reduzir o consumo de água, mas também de energia associada ao aquecimento dessa água”, explica Luís Nobre. O edil defende que,“num momento de exigência”, o município entende “que faz sentido investir 50 mil euros para poupar quatro vezes mais relativamente a esse montante”.

Luís Nobre adianta que “o procedimento de consulta ao mercado” para a aquisição do sistema a instalar nos balneários municipais “está a decorrer”, mas estima que, dentro de dois meses, estejam instalados os primeiros equipamentos.“Com este mecanismo iremos perceber a sua eficiência, procurando atuar nos edifícios que têm maior número de instalações de duche”, refere.

O documento resulta do “desafio lançado aos serviços municipais para aprofundamento do plano implementado, em março, com vista à redução do consumo de água para rega de jardins e espaços verdes, limpeza urbana”.“A consolidação desse plano surge da necessidade de também atuar na energia, face ao seu impacto nas contas municipais. É um impacto significativo, como acontecerá também noutros municípios”, observa o edil.

“Mais do que o efeito económico, o plano municipal pretende alertar para os princípios da sustentabilidade ambiental, apelando à relação quer com a água, quer com a energia. Temos de mudar o comportamento e a nossa atitude individual e coletiva, relativamente a estas duas fontes essenciais”, termina Luís Nobre.


Autor: Redação/Lusa