twitter

Residentes de Esposende e Viana do Castelo terão desconto no expresso para o Porto

Residentes de Esposende e Viana do Castelo terão desconto no expresso para o Porto
Fotografia

Publicado em 28 de dezembro de 2022, às 16:33

É aplicada uma tarifa especial de dois euros até dia 13 de janeiro.

A Auto Viação do Minho anunciou esta quarta-feira que os residentes de Esposende e Viana do Castelo vão ter um desconto no expresso para o Porto em 2023, aplicando uma tarifa especial de dois euros até dia 13 de janeiro.

Após queixas de utentes que perspetivavam pagar 286 euros mensais a partir de janeiro, a Auto Viação do Minho (AV Minho) anunciou hoje que «até 13 de janeiro de 2023 todos os passageiros com origem ou destino nestas localidades beneficiarão de uma tarifa especial de dois euros».Posteriormente a essa data, «para continuar a beneficiar deste desconto, deverão contactar os respetivos municípios de Esposende e Viana do Castelo para adquirir o Cartão de Residente», lê-se num comunicado hoje emitido pela rodoviária no seu site. «A partir de 16 de janeiro, passageiros não portadores do cartão voltarão a pagar seis euros», conclui o comunicado da rodoviária sediada em Viana do Castelo.

Em causa está o fim da ligação da AV Minho pela Estrada Nacional 13 (EN13) entre Viana e o Porto, anunciado em 20 de dezembro, cujo passe era também utilizado pelos utentes do serviço expresso, vindo de Melgaço ou Ponte de Lima (distrito de Viana do Castelo) e que também liga a Esposende (distrito de Braga).Num comunicado no site da AV Minho, datado de dia 20 de dezembro, foi anunciado que «cessará a carreira Viana do Castelo - Porto [pela EN13], pelo que deixarão de existir passes com origem entre Viana e Póvoa de Varzim [distrito do Porto] e destino para além da Póvoa de Varzim».Com o fim do serviço e do respetivo passe, os utentes de Viana do Castelo perspetivavam pagar 286 euros mensais caso não houvesse descontos.

De acordo com um comunicado enviado hoje por representantes dos utentes do expresso da AV Minho para o Porto, alguém «titular de um passe social das carreiras» da transportadora entre Viana e o Porto paga, hoje «entre 78 euros e 130 euros mensalmente». «Sem o passe e sem o apoio à redução do tarifário dos transportes públicos, a partir do dia 01 de janeiro passará a ter que pagar 13 € diários, o que corresponderá a 286 euros mensais», alertavam os utentes no comunicado a que a Lusa teve acesso.

Os utentes afirmavam que a Câmara de Esposende «rapidamente encontrou uma solução», mas que da parte da de Viana do Castelo ainda não tinha sido «comunicada qualquer resolução», antes do anúncio de hoje da AV Minho.

Antes do anúncio da AV Minho, a Lusa contactou a Câmara de Viana do Castelo que respondeu posteriormente, confirmando que «os utentes residentes em Viana do Castelo não vão ter aumento de custos nas viagens, pelo que se manterão os custos habituais».Viana do Castelo «dará continuidade às medidas/incentivos de utilização dos transportes públicos, como acontece desde 2019», no âmbito do Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes (PART) e do Programa de Apoio à Densificação e Reforço da Oferta de Transporte Público (PROTransP), cuja materialização continuará a ser feita «em articulação com a Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho)», segundo a resposta da autarquia à Lusa.

Em comunicado, os utentes referem que o serviço rodoviário é «essencial, não existindo outro tipo de oferta que garanta a mobilidade dos cidadãos para irem trabalhar, estudar (e são muitos os estudantes universitários que encontraram no referido passe social a possibilidade de continuarem os estudos, tendo em conta as rendas das casas) ou aceder a serviços públicos essenciais, nomeadamente de saúde».Apontam ainda à «falta de uma política concertada entre as Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, do Cávado e da Área Metropolitana do Porto», não entendendo os utentes a «falta de articulação» entre as entidades.

Também hoje a Direcção da Organização Regional de Viana do Castelo do PCP tinha alertado para a situação, apontando que de Melgaço para o Porto o custo mensal passa de 170 euros este ano para 440 euros em 2023, e de Ponte de Lima de 150 para 308 euros.


Autor: Redação/Lusa