twitter

Empresa municipal de Barcelos ilibada no caso do concerto de Júlio Iglésias

Empresa municipal de Barcelos ilibada no caso do concerto de Júlio Iglésias
Fotografia

Publicado em 18 de janeiro de 2019, às 15:01

Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga.

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga absolveu a Empresa Municipal de Educação e Cultura de Barcelos no caso do concerto de Júlio Iglésias naquele concelho em 2004, em que a empresa representante do cantor exigia 225 mil euros. Por sentença datada de 15 de janeiro, aquele tribunal condenou a empresa representante de Júlio Iglésias a uma multa superior a mil euros por litigância de má-fé.
Em causa está um concerto que a Empresa Municipal de Educação e Cultura (EMEC) de Barcelos contratou para a inauguração do Estádio Municipal daquele concelho, em 02 de julho de 2004.
O contrato foi firmado com a sociedade comercial Golden Concerts, sediada em Gibraltar e que tem como objeto a representação exclusiva de Júlio Iglésias para Portugal e para outros países de expressão portuguesa. Inicialmente, o concerto foi contratualizado por 325 mil euros, mas, entretanto, devido à fraca adesão do público, foi renegociado, tendo sido fixado em 195 mil euros. Aquando da renegociação, o representante da EMEC rasgou o contrato inicial, tendo também o representante da Golden Concerts rasgado “uns papéis, como se do seu exemplar do contrato referido se tratasse”. No entanto, em 2012 aquele representante moveu uma ação em tribunal reivindicando o pagamento dos 130 mil euros alegadamente em falta mais juros, num total de perto de 225 mil euros. Um caso agora sentenciado pelo Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, que deu como provado que o concerto “foi um fiasco” e que, por isso, o contrato inicial “foi dado sem efeito”, tendo sido substituído por outro, com valor de 195 mil euros e tendo como contrapartida o pagamento imediato de 50 mil euros e a preferência à Golden Concerts na organização da festa de fim de ano em Barcelos.
Na sentença, o tribunal refere que a transparência do representante legal Golden Concerts “é muito duvidosa” e que ele se quis aproveitar da “ingenuidade” da EMEC na contratação de um espetáculo daquela envergadura e do seu “deslumbramento fácil” perante a promessa de casa cheia.
Para Nuno Cerejeira Namora, advogado da EMEC, trata-se de uma sentença “douta e corajosa, que vem repor a justiça, esclarecendo definitivamente uma pretensa dívida que enlameou o bom nome de várias entidades e personalidades, ao longo de década e meia”. “Durante este período, perdurou a dúvida e suspeita de que a EMEC e os seus então administradores tinham gerido levianamente os dinheiros públicos, em negócio nubloso e megalómano. A sentença veio terminar com essa querela, deixando claro que a EMEC nunca deveu nada ao representante de Júlio Iglésias”, acrescenta. O advogado garante que o artista, quando subiu ao palco, “já tinha recebido tudo a que tinha direito” e que a empresa que o representava é que “construiu outra narrativa, inventando a existência de uma dívida".
“Fê-lo de forma temerária e recorrendo a mentiras, pelo que foi condenada como litigante de má-fé.
Afinal, o músico e verdadeiro artista era outro”, rematou Nuno Cerejeira Namora.
Autor: Redação