twitter

Câmara de Viana do Castelo inicia avaliação do impacto da Romaria d’Agonia

Câmara de Viana do Castelo inicia avaliação do impacto da Romaria d’Agonia
Fotografia

Publicado em 09 de agosto de 2022, às 14:48

Ao todo, serão efetuados 1.500 questionários presenciais a residentes e não residentes por profissionais devidamente identificados.

A Câmara de Viana do Castelo começa na quinta-feira a realizar questionários presenciais e digitais para avaliar o impacto económico e social da Romaria d’Agonia e cujas conclusões permitirão preparar as próximas edições das festas. Em comunicado hoje enviado, a autarquia da capital do Alto Minho revelou que serão efetuados “1.500 questionários presenciais a residentes e não residentes por profissionais devidamente identificados”. A equipa responsável pelo levantamento, composta por 14 pessoas, irá realizar os questionários a partir de quinta-feira e até dia 21 de agosto, com um reforço a partir do início da edição 2022 da Romaria d’Agonia, no dia 17 e até a 21 de agosto. O questionário está já disponível ‘online’ em português, inglês e espanhol. Em maio, durante a apresentação do cartaz e do programa de 2022, que, após a pandemia de covid-19, regressa completo e ao vivo, o presidente da Câmara de Viana do Castelo, Luís Nobre anunciou a realização do primeiro estudo “exaustivo” sobre o impacto económico e social da Romaria d’Agonia, cujas conclusões serão utilizadas na preparação da edição do próximo ano. Na nota hoje enviada, o município adiantou que “o inquérito irá servir para obter uma visão refinada da oferta de comércio, habitação e do funcionamento mais eficiente da comunidade, melhorar a experiência de quem visita Viana do Castelo durante o evento”. “Ao mesmo tempo, irá permitir identificar valor não percebido que reforce o gosto pela cultura e pelas tradições, de modo a que se possa vivenciar a Romaria em todos os aspetos culturais intrínsecos. Irá ainda permitir definir áreas prioritárias de atuação tendo em vista a melhoria da experiência e a satisfação de toda a comunidade”, adianta a nota. Segundo a autarquia “com os resultados recolhidos por este estudo, será estabelecida uma estratégia que permita a melhoria funcional das festas e promova o seu alcance, procurando atrair ainda mais turistas, aumentar o tempo médio de permanência dos visitantes na cidade, impulsionando a economia e a criação de emprego”. O levantamento visa “perceber os recursos materiais que o evento movimenta nas empresas, avaliar a forma como é promovida a cultura tradicional, como são recebidos os turistas no período das festas, o que retiram de positivo e negativo da experiência, para construir o seu futuro, assente na plena identidade do concelho, mas com um olhar vanguardista”. “Vamos utilizar dados secundários, através consulta de bibliografia especializada e informações disponíveis nas diferentes entidades envolvidas e dados primários, como abordagens quantitativas, pesquisa junto dos visitantes, inquéritos a entidades, movimentos associativos e culturais e outros agentes comprometidos com a organização das festas”, refere Luís Nobre, citado na nota. Os cinco dias de festas serão marcados por 45 momentos. Do programa destaca-se no dia 17 de agosto a alvorada festiva e os concertos musicais, bem como a primeira revista de gigantones e cabeçudos e encontro de desgarradas e cantares ao desafio. No dia 18 de agosto sai à rua o tradicional Desfile da Mordomia, cujo prazo de inscrições começa no dia 15 de julho, com centenas de mulheres vianenses trajadas e ouradas a percorrerem durante a tarde as ruas da cidade de Viana do Castelo. Na sexta-feira, 19 de agosto, destaque para a confeção dos tapetes floridos nas ruas da Ribeira, que durante a madrugada voltam a ser confecionados após dois anos de interrupção, devido às regras para contenção da pandemia de covid-19. No dia 20 de agosto, dia da padroeira, feriado municipal será retomada a tradicional procissão ao mar e o fogo do meio ou da santa, tradicional sessão de fogo-de-artifício. A festa de 2022 encerra no domingo, 21 de agosto, com o cortejo histórico e etnográfico à tarde, e a habitual serenata de fogo-de-artifício junto ao rio Lima.
Autor: Redação/Lusa