twitter

Norte e Galiza têm 1,4 milhões para reduzir contaminantes das águas

Norte e Galiza têm 1,4 milhões para reduzir contaminantes das águas
Fotografia DR

Redação

Publicado em 19 de outubro de 2023, às 09:25

Microplásticos e contaminantes têm impacto nefasto tanto no meio ambiente como na saúde

A aprovação daquele projeto foi, ontem, anunciada pela Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, que participa no consórcio com o Aquamuseu do Rio Minho, a par da Comunidade Autónoma da Galiza, em Espanha, das universidades do Porto e de Santiago de Compostela, da Empresa de Águas e Energia do Porto ou da Câmara de Viana do Castelo.

 Com um custo elegível de 1,4 milhões de euros, «o projeto foi aprovado pelo Comité de Gestão do Programa de Cooperação Interreg VI A España-Portugal 2021-2027, com uma comparticipação FEDER [Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional] de cerca de um milhão de euros», indica o município de Cerveira.

O projeto, com um período de intervenção até agosto de 2026, tem como objetivo «o controlo, seguimento e avaliação das emissões de microplásticos e contaminantes emergentes no meio aquático». Assim, deve avançar um estudo de eficiência das estações de tratamento de águas residuais urbanas em ambas as regiões e do risco ambiental destes contaminantes.

Para o efeito, «prevê-se a elaboração e otimização de metodologias analíticas de alto rendimento que facilitem a determinação desses contaminantes, organizando também um exercício de comparação interlaboratorial para colaborar com outras entidades na validação destas metodologias», acrescenta a mesma nota. Para garantir um uso sustentável dos recursos hídricos, o consórcio ‘BlueWWater’ vai ainda propor a implementação de «estudos experimentais para avaliar o potencial de reutilização da água tratada para fins agrícolas, bem como dar o seu contributo para a implementação de uma nova normativa comunitária (Diretiva Quadro da Água e Diretiva Quadro sobre a Estratégia Marinha)». Por outro lado, o projeto vai trabalhar para impulsionar, consolidar e dinamizar a rede de colaboração transfronteiriça criada no âmbito do projeto ‘Nor-Water’, reunindo os atores relacionados com a gestão da qualidade de águas num fórum de diálogo e de colaboração que permitirá impulsionar sinergias e criar oportunidades de iniciativas de Investigação, Desenvolvimento e Inovação na área da cooperação. Grande parte dos beneficiários do ‘BlueWWater’ acumulam «uma ampla experiência de cooperação transfronteiriça noutros projetos como TEAM Minho, NaturaMinho, MIGRA MIÑO- -MINHO, entre outros», refere a autarquia. Já a integração do Aquamuseu do Rio Minho no consórcio permitirá partilhar conhecimentos como base para a realização de atividades de Educação Ambiental com as escolas e a comunidade em geral, tendo como tema central os impactos dos plásticos no meio ambiente como na saúde. A intenção é «contribuir para uma mudança de atitude e de hábitos da sociedade, por exemplo fomentando a redução do consumo de produtos de uso unitário e único».