twitter

Taxa de juro do crédito à habitação atingiu em dezembro máximo desde 2014

Taxa de juro do crédito à habitação atingiu em dezembro máximo desde 2014
Fotografia

Publicado em 02 de fevereiro de 2023, às 15:01

São mais 119 milhões de euros do que em novembro.

Os bancos emprestaram 1 394 milhões de euros para crédito à habitação em dezembro. São mais 119 milhões de euros do que em novembro, tendo a taxa de juro atingido máximo de oito anos e meio, segundo dados do Banco de Portugal.

A taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação subiu para 3,24% em dezembro (face a 3,09% em novembro), tendo sido o valor mais alto desde junho de 2014. No conjunto do ano, os bancos concederam 23 878 milhões de euros em novos empréstimos a particulares, um aumento de 1.908 milhões de euros face a 2021. “Por finalidade, foram concedidos 16 156 milhões de euros para novos empréstimos à habitação, 5 377 milhões de euros para consumo e 2 345 milhões de euros para outros fins, mais 886, 891 e 132 milhões de euros do que em 2021, respetivamente”, explica o banco central.

A taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação “mais do que triplicou em relação a 2021”, ao passar de 0,83% em dezembro de 2021 para 3,24% em dezembro de 2022. “Esta subida acompanha a trajetória das taxas Euribor, que, em dezembro, foram em média 3,03% no prazo a 12 meses, 2,57% a seis meses e 2,07% a três meses (-0,50%, -0,54% e -0,58% em dezembro de 2021, respetivamente)”, acrescenta o BdP. Já a taxa de juro média dos novos empréstimos ao consumo foi de 7,97% (7,18% em dezembro de 2021).

No documento publicado esta quinta-feira, o BdP acrescenta que houve um aumento da percentagem de contratos renegociados ao longo de 2022, representando “22% do total de novas operações de crédito para habitação própria permanente”. Já os novos empréstimos às empresas concedidos pelos bancos em dezembro atingiram 3 319 milhões de euros, mais 1 665 milhões do que em novembro. Destes, 1 435 milhões de euros foram em créditos até um milhão de euros e 1 884 milhões em empréstimos acima de um milhão de euros.

A taxa de juro média dos empréstimos às empresas subiu tanto nos empréstimos até um milhão de euros (de 4,29% para 4,45%), como para os empréstimos acima de um milhão de euros (de 3,63% para 4,42%). No total do ano, o montante de novos empréstimos concedidos pelos bancos às empresas foi de 22 055 milhões de euros, mais 1 229 milhões que no ano anterior. Até um milhão de euros foram concedidos a empréstimos no montante de 12 442 milhões de euros e 9 616 milhões de euros acima desta linha.

A taxa de juro média dos novos empréstimos às empresas “mais do que duplicou no último ano, aumentando de 2% em dezembro de 2021 para 4,44% em dezembro de 2022”, sendo “transversal aos empréstimos até um milhão de euros (de 2,12% para 4,45%) e aos empréstimos acima de um milhão de euros (de 1,90% para 4,42%)”. Quanto a depósitos, em dezembro, os novos depósitos a prazo de particulares atingiram 5 156 milhões de euros, mais 285 milhões de euros face a novembro e o valor mais alto desde janeiro de 2019. A taxa de juro média foi de 0,35% (igual a novembro, quando se atingiu um máximo desde dezembro de 2016).

Ao longo de 2022 os novos depósitos a prazo de particulares foram de 49 393 milhões de euros (mais 6 377 milhões de euros que em 2021), com uma taxa de juro média de 0,35%. “Do montante dos novos depósitos constituídos, 88% foram aplicados em depósitos a prazo até um ano, remunerados, em dezembro, a uma taxa de juro média de 0,30% (0,04% em dezembro de 2021)”, detalhou o banco central.

Em 2022, os novos depósitos a prazo das empresas somaram 21 513 milhões de euros, dos quais 96% foram aplicados em depósitos a prazo até um ano. “No final do ano, a remuneração média destes depósitos era de 0,97%, percentagem acima da oferecida no final de 2021 (0,06%)”, conclui o BdP.


Autor: Redação/Lusa