twitter

PSP sinalizou 2.880 vítimas de violência doméstica para teleassistência no 1º semestre

PSP sinalizou 2.880 vítimas de violência doméstica para teleassistência no 1º semestre
Fotografia

Publicado em 02 de agosto de 2022, às 10:19

A polícia já está a utilizar a nova versão do auto de notícia/denúncia padrão de violência doméstica, que introduz um campo para registar declarações prestadas pela vítima/denunciante.

A PSP sinalizou no primeiro semestre do ano 2.880 vítimas de violência doméstica para o programa de teleassistência e mais de 5.800 crianças à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ). Segundo os dados hoje revelados em comunicado, nos primeiros seis meses do ano a PSP fez 32.425 contactos periódicos com vítimas de violência doméstica, 7.462 propostas de medidas de coação ao agressor e registou mais de 8.730 reforços de patrulhamento junto do local da ocorrência ou residência da vítima/local de trabalho. Na nota, a PSP diz ainda que entre janeiro e junho registou 1.733 acompanhamentos de vítimas, quando solicitado, a locais específicos, tendo acompanhado 1.170 vítimas para retirar bens de casa. Foram ainda sinalizadas 846 vítimas de violência doméstica para estruturas de apoio e registadas 779 diligências para apreensão de armas. Na mesma nota, a PSP sublinha que continua empenhada na deteção, tão precoce quanto possível, de práticas de violência doméstica, no reporte às autoridades e na intervenção em defesa das vítimas. Os dados da PSP indicam que no ano passado foram registadas 10.240 sinalizações de crianças à CPCJ e 5.465 vítimas de violência doméstica foram sinalizadas para o programa de teleassistência. Foram igualmente promovidos 62.037 contactos periódicos com vítimas, 16.049 reforços do patrulhamento junto do local da ocorrência/residência da vítima/local de trabalho e 13.052 propostas de medidas de coação ao agressor. Na nota hoje divulgada, a PSP sublinha que continuará a privilegiar a prevenção e proteção das vítimas deste crime, apesar do decréscimo de participações recebidas entre 2019 e 2021 (menos 13,7%), para "sinalizar proativamente" as situações neste contexto e “permitir o adequado acompanhamento pós vitimização e restabelecimento do sentimento individual de segurança”. A polícia acrescenta que já está a utilizar a nova versão do auto de notícia/denúncia padrão de violência doméstica, que introduz um campo para registar declarações prestadas pela vítima/denunciante que, se forem confirmadas através de assinatura, servem de auto de inquirição em inquérito, o que permitirá evitar convocar novamente a vítima para confirmar as declarações em sede de inquérito. Foi ainda removido o campo relativo ao desejo de procedimento criminal da vítima/denunciante, por força da natureza pública do crime. A PSP lembra que o reporte de situações diretamente nas esquadras ou pelo email [email protected] permite de forma simples alertar, solicitar apoio e informar as autoridades, “possibilitando a imediata recolha de informação e (eventual) intervenção tão precoce quanto possível”. Refere ainda que tem aproximado os polícias dos cidadãos, estendendo a nível nacional a disponibilidade de espaços dedicados às vítimas deste crime – o primeiro espaço, no Porto, foi inaugurado há 10 anos e atualmente há mais de uma dezena - e mantendo as esquadras inseridas nos principais estabelecimentos hospitalares, algumas com cerca de meio século.
Autor: Redação/Lusa