twitter

PAN pede urgência na implementação de plano para desacorrentar animais em caso de incêndio

PAN pede urgência na implementação de plano para desacorrentar animais em caso de incêndio
Fotografia

Publicado em 17 de agosto de 2022, às 16:41

Animais de companhia acorrentados têm sido vítimas dos fogos, sem qualquer hipótese de fuga.

O PAN pediu hoje ao Governo que "implemente com caráter de urgência" um plano nacional para desacorrentar animais de companhia, na sequência da morte e ferimento de vários cães no incêndio da serra da Estrela. "No seguimento de mais um ano em que os incêndios voltaram a tirar a vida a animais que se encontravam acorrentados, sem qualquer hipótese de fuga e [em locais] que não foram evacuados, o Pessoas-Animais-Natureza (PAN) exige que o Governo implemente com caráter de urgência o plano nacional de desacorrentamento de animais de companhia que ficou inscrito no Orçamento do Estado 2022 por proposta do PAN, e regule as condições de alojamento dos animais", apela o partido. Numa nota enviada à comunicação social, a força política liderada por Inês Sousa Real indica que o Orçamento do Estado para este ano tem uma verba de "500 mil euros" para a elaboração e implementação de um plano nacional de desacorrentamento de animais de companhia. "É absolutamente incompreensível que o Governo ainda não tenha avançado com a implementação do plano nacional de desacorrentamento de animais de companhia" que "visa apoiar as pessoas a reconverterem os espaços onde os animais se encontram, de forma a poderem ser libertados das correntes", defende. O PAN adianta também que "vai voltar a levar o tema à Assembleia da República" e apresentar uma nova iniciativa para "regular o acorrentamento permanente, com vista ao seu fim, e o alojamento dos animais de companhia em Portugal, retomando assim os termos de um projeto de lei submetido em junho de 2021 e aprovado na generalidade, mas que, fruto do fim antecipado da legislatura, acabou por não ser sujeito a votação final". "Apesar das mortes trágicas registadas em Santo Tirso há dois anos e em Santa Rita no ano passado, continuam a morrer dezenas de animais de companhia acorrentados, vítimas dos incêndios florestais que varrem o país, como se veio a verificar nos incêndios de Palmela e agora na serra da Estrela", denuncia o partido. Citada no comunicado, a porta-voz do PAN salienta que "não é aceitável que todos os anos continuem a morrer animais de forma tão atroz nos incêndios", por "se encontrarem permanentemente acorrentados ou sob outras formas de retenção, sem qualquer forma de escapatória a uma morte cruel e dolorosa". Inês Sousa Real insiste ainda na "importância da iniciativa apresentada para a criação pelo Governo de um Plano Nacional de Resgate Animal a incluir no Plano Nacional de Emergência de Proteção Civil, com aplicação e concretização municipal".
Autor: Redação/Lusa