twitter

Ordem dos Psicólogos faz recomendações para cobertura mediática da guerra

Ordem dos Psicólogos faz recomendações para cobertura mediática da guerra
Fotografia

Publicado em 19 de março de 2022, às 10:26

"Para informar não precisamos de chocar”, alerta o presidente do Conselho de Especialidade - Psicologia Clínica e da Saúde da OPP.

A Ordem dos Psicólogos recomenda aos media que nas notícias sobe a guerra na Ucrânia evitem imagens chocantes, humanizem todos os envolvidos na guerra, dando-lhes rosto e voz, evitem a polarização e ajudem a travar a desinformação. Num documento que reúne diversas recomendações para que as notícias não tenham um impacto negativo na população e que a transmissão de informação não fomente medo, ansiedade ou preocupação, a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) sublinha a importância do equilíbrio, evitando uma cobertura “excessiva, repetitiva e sensacionalista”. “Por exemplo, as imagens têm impacto e, se têm impacto, é evidente que não se deve apostar em imagens chocantes porque isso não vai ajudar a diminuir o impacto negativo nas pessoas. Para informar não precisamos de chocar”, disse à Lusa o presidente do Conselho de Especialidade - Psicologia Clínica e da Saúde da OPP, Miguel Riçou. O especialista destaca ainda a necessidade de se manter o equilíbrio, evitando perspetivas dicotómicas: “Não compete aos media falar de bons e maus, de fortes e fracos. Todas as perspetivas em que só há duas dimensões contribuem para a polarização e, sobretudo, o mundo não é a preto e branco, há muitos cinzentos no meio”. No documento “Dar notícias sobre a guerra”, a OPP lembra que a forma como as notícias são construídas "pode impactar não apenas as vítimas diretas e as pessoas que se encontram no cenário de guerra, mas toda a população”. O conjunto de recomendações, que pretendem ajudar “a que as notícias estimulem comportamentos pró-sociais e pró-saúde”, os psicólogos destacam igualmente a importância da linguagem, aconselhando a que seja clara, simples, factual e imparcial para “evitar gerar alarmismo, stress e medo”. A humanização é outra das vertentes sublinhadas pela OPP, que recomenda a dar “rosto e voz a todos os envolvidos na guerra, procurando humanizá-los”. Focar os danos invisíveis e subtis da violência, a médio e a longo prazo, por exemplo, pobreza e exclusão, migração forçada, desemprego ou problemas de saúde psicológica é outro dos conselhos da Ordem. Os psicólogos recomendam ainda aos media que “verifiquem cuidadosamente e junto das fontes competentes” informações sobre pessoas mortas, feridas, desaparecidas ou feitas prisioneiras, para garantir “não só a veracidade da informação, mas também tempo para que as famílias possam ser avisadas pelas autoridades competentes”. Aconselha igualmente a combater o estigma e a discriminação, por exemplo, “verificando se referências culturais, religiosas, de idade ou de orientação sexual são, de facto, relevantes para a notícia em causa”. Quanto ao uso de imagens e vídeos, apela a que seja verificada a sua autenticidade quando são recolhidos em zona de conflito, a indicar claramente as fontes e a “evitar a exibição e repetição de violência gráfica explícita, nomeadamente em horários nos quais é provável que possam existir crianças a assistir”. No conjunto de recomendações para a cobertura mediática da guerra, a OPP pede ainda que os media valorizem “uma perspetiva orientada para a resolução não-violenta do conflito e para a construção da paz, tornando relevante aquilo que é comum e objetivos que possam ser partilhados”. Nesta área, aconselha a incentivar a empatia, compaixão e comportamentos pró-sociais, focando a transmissão de informação sobre os apoios disponíveis, as diferentes formas de contribuir e instruções sobre como proceder em situações de risco. Destacar depoimentos e iniciativas orientadas para a promoção da sensibilidade à diversidade cultural, por exemplo, “dando voz a protagonistas de ambos os lados do conflito que reclamam por uma solução pacífica” é outras das recomendações.
Autor: Redação/Lusa