twitter

MP abre inquérito sobre ciberataque que expôs documentos da NATO

MP abre inquérito sobre ciberataque que expôs documentos da NATO
Fotografia

Publicado em 13 de setembro de 2022, às 11:58

Ciberataque resultou na venda, na darkweb, de documentos da NATO obtidos em computadores das Forças Armadas.

O Ministério Público abriu um inquérito ligado ao ciberataque contra o Estado-Maior-General das Forças Armadas em que documentos classificados da NATO foram extraídos e colocados à venda na ‘darkWeb’, indicou hoje a Procuradoria-Geral da República.

"Confirma-se a instauração de inquérito. O mesmo é dirigido pelo Ministério Público do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP)", precisou a Procuradoria-Geral da República, em resposta à agência Lusa.

Segundo revelou a semana passada o Diário de Notícias, o Governo português foi informado da situação pelos serviços de informações norte-americanos, por intermédio da embaixada em Lisboa, através de uma comunicação que terá sido feita diretamente ao primeiro-ministro, António Costa, em agosto passado.

O mesmo jornal mencionou que este caso é considerado de "extrema gravidade" e terão sido os ciberespiões norte-americanos a detetar "à venda na ‘darkweb’ centenas de documentos enviados pela NATO a Portugal, classificados como secretos e confidenciais".

Na altura, o Ministério da Defesa Nacional afirmou que já estar a averiguar "todos os indícios de potencial quebra de segurança informática" e alegou a "sensibilidade" daqueles processos para não se pronunciar sobre a noticiada exfiltração de documentos da NATO.

Em comunicado, adiantou que as averiguações são conduzidas pelo Gabinete Nacional de Segurança, "com o qual o Ministério da Defesa Nacional e as Forças Armadas trabalham em estreita articulação".

Segundo a lei orgânica do Gabinete Nacional de Segurança, este é “um serviço central da administração direta do Estado, dotado de autonomia administrativa, na dependência do primeiro-ministro ou do membro do Governo em quem aquele delegar”.

A Autoridade Nacional de Segurança dirige este gabinete “e é a entidade que exerce, em exclusivo, a proteção, o controlo e a salvaguarda da informação classificada”.

Entre as funções do Gabinete Nacional de Segurança está “garantir a segurança da informação classificada no âmbito nacional e das organizações internacionais de que Portugal é parte” e exercer “a função de autoridade de credenciação de pessoas singulares ou coletivas para o acesso e manuseamento de informação classificada”.


Autor: Agência Lusa