twitter

Vacinação contra Covid-19 e gripe arranca esta sexta-feira

Vacinação contra Covid-19 e gripe arranca esta sexta-feira
Fotografia Unsplash

Agência Lusa

Agência noticiosa

Publicado em 29 de setembro de 2023, às 09:56

Visa abranger mais de dois milhões de pessoas.

A campanha de vacinação contra a Covid-19 e a gripe arranca esta sexta-feira em unidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e farmácias, abrangendo maiores de 60 anos, pessoas com doenças de risco, profissionais de saúde e trabalhares em lares. A expectativa é conseguir vacinar entre 2 e 2,5 milhões de pessoas, segundo o subdiretor-geral da Saúde, André Peralta Santos,

No SNS será feita a vacinação das pessoas com menos de 60 anos com patologias de risco, das grávidas e dos profissionais dos serviços de saúde (públicos e privados) e de outros serviços prestadores de cuidados de saúde, estudantes em estágio clínico, bombeiros envolvidos no transporte de doentes e prestadores de cuidados a pessoas dependentes. Haverá ainda vacinação nos lares, na rede de cuidados continuados integrados e nas prisões feita por profissionais do Serviço Nacional de Saúde.

As farmácias comunitárias vão pela primeira vez administrar a vacina contra a Covid-19 a maiores de 60 anos, havendo cerca de seis mil farmacêuticos habilitados para o fazer nas mais de 2 300 farmácias que aderiram à campanha sazonal de vacinação 2023/2024.

Em declarações à Lusa, a presidente da Associação de Farmácias de Portugal, Manuela Pacheco, afirmou que está “tudo pronto” para iniciar a vacinação e que a adesão por parte dos utentes tem sido “muito grande”, não só a nível da plataforma de agendamento, mas essencialmente localmente, com as pessoas a contactarem, a perguntarem e telefonarem e pedir para guardar as vacinas.

Manuela Pacheco adiantou que as marcações têm que ser “muito bem agendadas, muito bem afinadas”, porque não se pode correr “o risco de fazer desperdícios e depois haver quebras de vacinas”. “O que fazemos é tomar nota das intenções de vacinação, até porque o utente é livre de escolher a vacina ou as vacinas que quer tomar e se as querem tomar em conjunto ou aguardar”, disse, assegurando que “não é por falta de acesso que os portugueses não se vão vacinar”, uma vez que “há mais de mil postos públicos” e mais de 2 300 farmácias onde o podem fazer.

Além disso, salientou, a campanha de vacinação sazonal nunca arrancou tão cedo: “O ano passado foi na segunda quinzena de outubro assim como há dois anos. Agora estamos com o tempo muito mais bem organizado, tudo muito bem faseado e eu penso que isto (…) nos transmite uma certa tranquilidade” para desenvolver esta experiência para o qual os farmacêuticos tiveram formação.

Segundo a presidente da associação, as farmácias que requisitaram as vacinas já estão a recebê-las, garantindo que não haverá faltas de vacinas. “Este ano não vai haver falta de vacinas, vamos ter um período alargado de administração e vamos ter uma diversificação de locais de administração que até nas aldeias mais recônditas vai haver uma farmácia que as vai administrar. Portanto, não me parece que isto seja um problema, antes pelo contrário, e temos de tranquilizar as pessoas, até porque estamos no início de outono, mas ainda temos muitos resquícios de verão”, disse. Para Manuela Pacheco, as farmácias poderem administrar a vacina contra a Covid-19 é “um reconhecimento” que ansiavam “há muito tempo”.