twitter

Grupo Arlindo Correia confirma (e explica) venda de ações do SC Braga

Grupo Arlindo Correia confirma (e explica) venda de ações do SC Braga
Fotografia

Publicado em 02 de março de 2023, às 15:01

O vencedor da última licitação poderá ser conhecido nos próximos dias através do processo de insolvência 5468/19.9T8VNF ou através do próprio

Na sequência da notícia publicada ontem, pelo Diário do Minho, relativamente à venda de ações do Grupo Arlindo Correia, recebemos ontem, não só a confirmação da mesma, mas também uma explicação mais pormenorizada sobre o assunto, num documento assinado por António Filipe Correia.

«O Grupo Arlindo Correia, do qual faz parte a sociedade ACF-Arlindo Correia & Filhos, S.A., representada neste caso pela minha pessoa, na sequência da vossa notícia, em complemento, vem por este meio comunicar à imprensa o seguinte:

1 – A sociedade ACF, do grupo de empresas Arlindo Correia, de facto encontra-se em processo de insolvência, utilizando esse mecanismo judicial para se regenerar e poder obter de forma mais rápida a cobrança dos seus créditos e ativos junto dos seus devedores, superiores ao seu passivo, possuindo ainda ao dia de hoje um capital próprio positivo superior a 6.000.000.00 Euros;

2 – Confirma-se que no dia de ontem, foi licitadas 3.500.00 ações do SC Braga, pelo o valor de 350.000,00 Euros, após uma disputa de vários lances nos últimos minutos entre os licitadores interessados;

3 – O justo vencedor da última licitação poderá ser conhecido nos próximos dias através do processo de insolvência 5468/19.9T8VNF ou através do próprio;

4 – No entanto, posso acrescentar que tais ações, devido aos diversos interesses envolvidos, foram também licitadas pela minha pessoa em nome individual, obtendo o segundo lugar, até para garantir no mínimo um justo valor pela sua venda para sociedade que represento, bem e também, devido a interesses de parceiros internacionais nestas ações do SC Braga e em outros ativos do grupo Arlindo Correia e da sua sociedade em regeneração em processo judicial de insolvência;

5 – Decorre, que não obstante do interesse pessoal na sociedade que as detinha e na realização da sua venda, entendeu-se que o valor de 100.00 Euros por ação, apesar de mais alto que o valores atuais em bolsa, era um valor justo para esta venda, e até superior ao valor teto determinado por investidores internacionais, meus parceiros, que valorizaram também eles as ações do SC Braga por valores superiores aos hoje cotados em bolsa;

6 – Pois, tem se o entendimento e visão, que tais ações são de facto, valiosas e de valor superior aos actuais cotados em bolsa, atendendo-se há grandeza do SC Braga e da sua estrutura e direção, acreditando-se e prevendo-se que nos próximos anos, será um dos maiores clubes da Europa;

7 – Pelo que o valor de 100.00 Euros por ação, apesar de record, verifica-se um justo negócio para ambas as partes, a sociedade vendedora e seu comprador, congratulando o vencedor do leilão, o SC Braga e os seus adeptos e todos os credores que tem apoiado e colaborado com a regeneração da sociedade fundada pelo Sr Arlindo Correia».


Autor: Redação