twitter

Luta contra o cancro em Braga vive “momento muito grave”

Luta contra o cancro em Braga vive “momento muito grave”
Fotografia

Publicado em 03 de fevereiro de 2023, às 15:46

A delegação de Braga da Liga Portuguesa contra o Cancro pediu que a cidade ponha os olhos no “problema grave” da instituição, que não consegue servir mais pessoas.

Perto de celebrar 10 anos de existência, a delegação de Braga da Liga Portuguesa contra o Cancro está numa encruzilhada. Foi para isso os responsáveis bracarenses alertaram na apresentação do plano de atividades de 2023, que inclui as celebrações do 10º aniversário.

“Nós estamos num momento muito grave em termos do atendimento aos doentes oncológicos. Este é um problema constante (…) Os problemas foram surgindo ao longo dos anos, foram sendo colmatados, mas continuamos no mesmo sítio e o número de doentes aumenta exponencialmente”, explicou Fátima Soeiro, delegada em Braga da Liga Portuguesa contra o Cancro.

O problema é que o espaço em que a delegação está, perto da EB1 da Sé, não é suficiente, o que faz a instituição ter receio de aceitar novas parcerias, porque “nem os nossos atuais temos espaço para os atender, quanto mais os imensos que o Hospital nos pede”. A responsável confessou ainda que a lista de espera tem aumentado e descreveu a “vergonha” da falta de condições para desenvolver todas as atividades, nem sequer para reunir todos os 25 voluntários.

Fátima Soeiro apelou à cidade para “pôr os olhos” no “problema grave” da Liga Portuguesa contra o Cancro em Braga, que descreveu como “o parente pobre da saúde”. “Não temos apoios estatais, vivemos à nossa custa, e fazemos tudo gratuitamente. As instituições com mais capacidade financeira, nomeadamente empresas, fundações, bancos, a Igreja, deviam olhar para nós, para o nosso trabalho – que é público.”

A delegação de Braga precisa, de acordo com a responsável, de um espaço próprio, central, entre os 300 e os 400 metros quadrados, o que consideram necessário para os doentes poderem ter atividades depois das consultas. A autarquia, segundo Fátima Soeiro, já respondeu que não tem nenhum espaço disponível.

Delegação abre portas no aniversário

É na sombra deste problema que a delegação de Braga da Liga Portuguesa contra o Cancro celebra os 10 anos, que completa a 13 de maio, quando organiza um jantar solidário de angariação de fundos. No dia anterior, vai abrir as portas das instalações da delegação para mostrar a falta de condições de que fala.

Antes, ainda em fevereiro, vai participar este sábado, no Porto, nas comemorações do Dia Mundial do Cancro, e vai dar início, no dia 16, a uma intervenção em grupo para mulheres sobreviventes de cancro da mama.

Em março, a delegação vai dedicar uma semana ao Dia Internacional da Mulher, com atividades entre os dias 6 e 10, incluindo uma sessão de literacia financeira – que Carla Ribeiro, psicóloga da delegação, explicou sentirem como necessária devido às dificuldades financeiras que vários doentes experienciam – e uma tertúlia sobre sexualidade na doença.

Em abril, o dia 14 é dedicado a falar sobre o impacto do cancro na saúde mental, e em junho, também no dia 14, o tema são os direitos e apoios dos doentes oncológicos.

Setembro, outubro e novembro trazem comemorações de meses temáticos, como todos os anos. No Setembro Dourado, que sensibiliza para o cancro pediátrico, uma exposição vai mostrar o cancro visto pelas crianças. No Outubro Rosa, que sensibiliza para o cancro da mama, vai ser abordado o tema dos cuidados paliativos, nomeadamente no cancro da mama metastático, e aproveita-se a sexta-feira 13 desse mês para desmistificar alguns mitos sobre o cancro e algumas terapias alternativas e complementares. No Novembro Azul, dedicado ao cancro da próstata, a caminhada dos “Grandes Mestres” vai assinalar o cancro no homem, e há ainda tempo para lembrar o dia do cuidador informal, uma realidade próxima do cancro.


Autor: João Pedro Quesado