twitter

Ex-Confiança segue para segunda fase de financiamento do PRR para alojamento estudantil

Ex-Confiança segue para segunda fase de financiamento do PRR para alojamento estudantil
Fotografia

Publicado em 25 de março de 2022, às 16:58

Residência universitária mais perto da "Confiança".

O relatório síntese preliminar de avaliação e seleção das "Manifestações de Interesse" colocou o projeto de transformação da antiga fábrica da Confiança em Braga numa residência universitária em 14º lugar, entre os 154 projetos a nível nacional aprovados. O relatório foi hoje divulgado pela Agência Nacional "Erasmus Educação e Formação". Recorde-se que o objetivo deste processo, que passa por quatro fases, visa criar mais de 15 mil camas "estudantis" até 2026 num financiamento total de 375 milhões de euros. Em Braga, a Câmara pretende transformar a ex-Confiança em residência universitária e, passada a primeira fase, o processo entra agora na etapa deaperfeiçoamento e apresentação de “Candidaturas a financiamento”, direcionado aos titulares das "Manifestações de Interesse" selecionadas da primeira fase. O programa, que visa alojamento estudantil a custos acessíveis, pretende cobrir a necessidade, por um lado, de apostar na inovação dos processos e modelos construtivos com vista a atingir as metas ambiciosas deste programa, incentivando os promotores a criar projetos em que a inovação esteja presente e, por outro, de promover a existência de alojamento de qualidade a preços acessíveis, eliminando deste modo um dos maiores obstáculos com que se deparam os estudantes, designadamente os mais frágeis do ponto de vista sócio-económico. Com base na análise detalhada de todas as "Manifestações de Interesse" em avaliação, o painel independente aprovou, na reunião de hoje, e em consonância com as pontuações obtidas em cada um dos critérios, a proposta de listagem das 154 "Manifestações de Interesse" selecionadas para admissão à Fase 2, deixando de foram 47, entre as quais as residências universitárias de Esposende e Fafe dado não alcançarem a pontuação mínima em, pelo menos, um dos critérios de avaliação.  
Autor: Nuno Cerqueira