twitter

Festival de cerveja em Braga quer bater recorde de 30 mil visitantes

Festival de cerveja em Braga quer bater recorde de 30 mil visitantes
Fotografia Avelino Lima

Rita Cunha

Jornalista

Publicado em 16 de maio de 2024, às 17:02

Evento regressa de 30 de maio a 2 de junho com um vasto programa que alia a cerveja à gastronomia, música e desporto

Entre os dias 30 de maio e 2 de junho, o Campo das Hortas volta a receber mais uma edição do Hopen Braga Beer Festival. Dado o sucesso crescente que a iniciativa tem tido, a organização conta bater o recorde de 30 mil visitantes, conquistado no ano passado, algo que poderá ser alcançado dado que este ano o evento conta com mais um dia do que o habitual, aproveitando o feriado do Corpo de Deus.


Na apresentação da 4.ª edição do festival, Filipe Macieira, da organização, deu nota do crescimento que o mesmo tem tido, sendo hoje considerado o 3.´º maior evento de cerveja artesanal de Portugal, apenas ultrapassado pelos festivais do Porto e Caminha, sendo que estes não são 100% nacionais, que é um dos fatores distintivos do HOPEN Braga.


No evento estarão presentes 28 marcas de cerveja artesanal de vários pontos do país, as quais representam entre 60 a 70% das existentes (com produção profissional) a nível nacional, representando  98% do volume de vendas de cerveja artesanal em Portugal. Em paralelo, estarão presentes  13 stands de ‘street food’ que permitirão fazer a harmonização perfeita em termos gastronómicos.


A complementar, o festival conta com um programa diversificado com apresentações e provas de cervejas, demonstrações culinárias, uma visita ao centro de Braga e espetáculos musicais de Gator the Aligator, Cão que Ladra, O.BRA e Young Yellow Pricks (Artic Monkeys Tribute). O desporto também estará presente, por exemplo numa demonstração de ‘crossfit’ na Rua do Souto.

A entrada é livre, mas para consumir cerveja é necessário adquirir um copo desenhado para o efeito, que tem o custo de três euros. Os lucros da venda servem para financiar o evento, segundo explicou Filipe Macieira.