Fotografia: Município de Braga

Antiga Escola Francisco Sanches será referência na dinâmica cultural de Braga

O edifício vai receber o Arquivo Municipal, o espólio do Museu da Imagem e outros espólios culturais de Braga.

Redação
21 Jan 2023

As obras de reabilitação da antiga escola Francisco Sanches, iniciadas a 29 de Junho de 2022, receberam a visita da vereadora Olga Pereira. A primeira fase de reabilitação do edifício, onde será criado um centro cívico de matriz cultural, representa um investimento superior a 1,7 milhões de euros, num projecto que vai transformar aquele espaço num equipamento de referência alinhado com a estratégia cultural da Cidade para 2030.

«Este equipamento será uma referência para a dinâmica cultural da cidade, um espaço de grande vitalidade cultural e irá complementar outras valências existentes no concelho. Trata-se de um edifício com cerca de 7000 m2 de área bruta de construção, com dimensão superior ao Convento do Pópulo que alberga os serviços centrais do município. Estão a ser criadas condições materiais para preservar os documentos e outros suportes que permitem a interpretação da nossa história e o nosso presente, os historiadores e outros investigadores terão à sua disposição um espaço de excelência» explicou Olga Pereira, sublinhando que o objectivo passa por «maximizar o enorme potencial do edifício, beneficiando da sua centralidade».

Esta primeira fase de intervenção integra a reabilitação geral de todo o edifício, concretamente no que se refere a coberturas, fachadas, vãos e arranjos exteriores. O projecto contempla igualmente a preparação de todas as infra-estruturas para a implementação da segunda fase da reabilitação da antiga escola Francisco Sanches.

Concluída a obra, o edifício irá receber o Arquivo Municipal, incluindo o arquivo histórico, espólio do Museu da Imagem, da Casa dos Crivos e outros espólios culturais do Município. Serão criadas salas de consulta, uma biblioteca, uma zona de tratamento e higienização de documentos.

«Com esta intervenção, vamos permitir que o público se vá apropriando progressivamente da utilização do edifício, colocando à disposição as zonas que forem ficando disponíveis. Vamos também garantir a continuidade da utilização de algumas das estruturas que já se encontram sediadas aqui e incorporar novas dinâmicas», concluiu Olga Pereira.





Notícias relacionadas


Scroll Up