Fotografia: Avelino Lima

Póvoa de Lanhoso quer recrutar oportunidades com mercado

O Mercado de Oportunidades junta várias empresas, conta com painéis de debate e, num último momento, vai ajudar a escoar os stocks do comércio local.

João Pedro Quesado
11 Jan 2023

A Póvoa de Lanhoso é palco, até 15 de janeiro, da primeira edição do Mercado de Oportunidades. Inaugurado esta quarta-feira, o evento que trazer para “primeiro plano” a empregabilidade e empreendedorismo no concelho, e vai contar com um momento para as empresas escoarem os seus stocks em excesso.

O Mercado conta com a presença de várias empresas, como Prozis, Norisk, Maragata, UrbanProject, Vivenza e o Hotel Sénior, e ainda entidades como o Instituto do Emprego e Formação Profissional e a Misericórdia de Póvoa de Lanhoso. Todas estão presentes porque, durante 2022, “referenciaram à Câmara Municipal a necessidade de contratar pessoas para reforçar os seus quadros”, de acordo com o presidente da autarquia, Frederico de Oliveira Castro.

Nos dias 11 e 12 de janeiro, as empresas presentes vão poder dar a conhecer-se a possíveis futuros trabalhadores, que vão, por sua vez, poder conhecer as ofertas de emprego disponíveis no concelho.

Ao mesmo tempo, vários painéis vão debater temas desde a sustentabilidade empresarial à transição digital, passando pela internacionalização das marcas.

Já entre 13 e 15 de janeiro, a feira de stocks tem o objetivo de ajudar o comércio local a escoar o excesso de produtos e artigos após o período de Natal e Ano Novo. Esta feira vai estar aberta ao fim do dia de sexta-feira e durante todo o dia no sábado e domingo.

Na sessão de abertura, que teve lugar na tenda montada na Praça Engenheiro Rodrigues, o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso realçou o evento como uma oportunidade para empresários e desempregados, assim como pessoas que queiram mudar de carreira.

Para Frederico Castro, a ideia é “pôr a oferta e a procura em contacto”, no sentido de criar uma oportunidade “para os empresários, uma oportunidade para os desempregados, uma oportunidade para aqueles que estão empregados mas procuram outra forma de ganhar a vida, de desenvolver a sua atividade profissional, outra oportunidade”.

O autarca, cuja profissão é “ser empresário”, afirmou que é necessário “perceber de que forma é que funciona a cabeça de um empresário” e, entre as prioridades elencadas, colocou as infraestruturas. Foi assim que explicou que o objetivo da Via Circular Urbana – cuja conclusão está prevista para 2025 – é colocar as empresas mais próximas de infraestruturas como o aeroporto e o Porto de Leixões, assim como da capital do distrito. “Ao aproximar a Póvoa de Lanhoso de Braga, vamos também aproximar os empresários da Póvoa de Lanhoso”, disse.

Daniel Vilaça, presidente da Associação Empresarial de Braga, cuja projeção inidica que as exportações das empresas do concelho foi de 110 milhões de euros, elencou algumas estatísticas económicas do concelho, e afirmou que a AEB está a trabalhar com a autarquia para aproveitar as oportunidades do PRR e do Portugal 2030.

O presidente da AEB acredita ser possível executar, nos próximos três anos, na Póvoa de Lanhoso, “novas medidas e programas de apoio ao tecido empresarial” do concelho. O objetivo é “atrair investimento e consumidores, qualificar as empresas e melhorar os níveis de competitividade”.





Notícias relacionadas


Scroll Up