Espaço do Diário do Minho

Amigos do peito e amigos da onça

7 Dez 2022
Dinis Salgado

Se, segundo os dicionários a palavra amizade significa estima, dedicação, simpatia, companheirismo e bondade, nos tempos que correm ela já pouco existe ou anda mesmo ausente do caráter e da idiossincrasia da maioria das pessoas; e, assim, podemos dizer que o amigo do peito doutras eras se transformou no amigo da onça ou, como diz o povo na sua imensa sabedoria, amigos, amigos, negócios à parte; e se o amigo do peito dá a sua camisa pelo amigo, o amigo da onça veste a camisa que retira ao amigo do peito.

Ademais, quando nos referimos a alguém como um amigalhaço, obviamente que não queremos nem devemos dizer desse alguém que é um amigo; e, muito menos, que é um verdadeiro amigo, porque na base da sua aceitação e doação o amigalhaço não passa de ser alguém que nos segue, nos acompanha, longe das regras do compromisso e da cumplicidade, sem que na sua forma ou no seu pensamento exista companheirismo e criticismo.

Não resisto a transcrever, de memória, o soneto de Camilo Castelo Branco sobre a temática da amizade:

Amigos cento e dez ou talvez mais

Eu já contei! Vaidades que eu sentia!

Pensei que sobre a terra não havia

Mais ditoso mortal entre os mortais.

Amigos cento e dez! Tão serviçais.

Tão zelosos das leis da cortesia

Que eu já farto de os ver me escapulia

Às suas curvaturas cervicais.

Um dia adoeci profundamente.

Ceguei! Dos cento e dez houve um somente

Que não quebrou os laços quase rotos.

«Que vamos nós (diziam) lá fazer?

Se ele está cego não nos pode ver.»

Que cento e nove impávidos marotos!

Pois bem, os tempos consumistas, hedonistas, relativistas e positivistas que vivemos não são favoráveis ao investimento na amizade e na prática de fazer amigos; contrariamente aos benefícios que os especialistas da matéria (psicólogos, psiquiatras, sociólogos) apontam resultantes de termos e fazermos amigos.

Assim, nesta lógica, são imensos os benefícios que podemos recolher da prática da amizade, seja para a nossa sanidade mental, seja para a nossa própria sobrevivência; e, por isso, as saídas, os telefonemas, os almoços, os jantares, as passeatas ajudam-nos sobremaneira a recuperar mais rapidamente, por exemplo, de um desgosto, de uma doença ou mesmo de uma cirurgia.

Também a amizade, tal como o amor, só se alimenta e fortalece quando se tomam iniciativas de eventos, contactos regulares e uso de algumas horas, mesmo que não seja diariamente, para passear em conjunto, pois, como diz o provérbio, longe da vista, longe do coração; e ser bom ouvinte, possuir sentido de humor e as capacidades para guardar segredos e perdoar são o sal que dá gosto e tempera as relações de amizade.

Ora, a vida moderna, porque feita de pressas e desencontros, da necessidade de subir no emprego e chegar primeiro a tudo que seja de gosto e de interesse pessoal e do despoletar constante de conflitos onde a maldade, a vaidade e o egoísmo imperam, não favorece a criação de amigos do peito; e, até, as doutrinas marxistas, maoistas e trotskistas que por aí vão imperando e dominando muito ajudam à negação em fazer e conservar amigos e ao desenvolvimento de laços de amizade.

Agora, se tem amigos do peito guarde-os e estime-os como joias raras e imensamente valiosas para que, um dia, se precisar da sua ajuda, encontre pleno gozo no efetivo dom da verdadeira amizade e partilha, como na declaração de Clarice Lispector:

Um Amigo me chamou p’ra cuidar da dor dele.

Guardei a minha no bolso… e fui!

Então, até de hoje a oito.



Mais de Dinis Salgado

Dinis Salgado - 1 Fev 2023

Se Sir Winston Churchill (político e escritor inglês – 1874/1965) fosse vivo, penso que, devido aos controversos tempos políticos que vivemos, teria dificuldades em afirmar e defender que a democracia é o sistema político menos mau entre os que existem; e, então, se fizesse uma análise, mesmo que breve e ligeira, à democracia que tem […]

Dinis Salgado - 25 Jan 2023

Pensando eu que já fomos um povo de descobridores, marinheiros, heróis e santos, neste país à beira-mar plantado não se pode ser velho; e nem os brandos costumes que moldam a idiossincrasia nacional capazes são de garantir tranquilidade, bem-estar e segurança a esta faixa etária. Por exemplo, não se pode ser velho na doença, porque […]

Dinis Salgado - 18 Jan 2023

Um inesperado apagão das redes sociais, há tempos, apenas durante um período de seis horas, levou milhares de utentes a níveis de pré-loucura: tensão arterial descontrolada e agressividade, ansiedade e intolerância ao rubro; e isto, segundo estudos referidos, insere-se num grau de nocividade para a sociedade em geral que, assim, se revela menos sociável e […]


Scroll Up