Vídeo: DM

Salão internacional de Turismo Gastronómico em Ourense com mais de 120 atividades.

Luísa Teresa Ribeiro
16 Nov 2022

A gastronomia, os vinhos e as propostas turísticas do Norte de Portugal estiveram em destaque no 23.º Xantar – Salão Internacional de Turismo Gastronómico, que decorreu entre a passada quarta-feira e domingo, na Expourense, em Ourense, na Galiza.

O certame contou com 165 expositores de cinco países (Espanha, Portugal, Estados Unidos da América, Perú e Costa Rica), oito restaurantes e mais de 120 atividades, numa edição em que o foco se centrou na gastronomia dos Caminhos de Santiago.

Segundo números oficiais, o evento teve mais de 16 mil visitas, numa edição que consolidou o certame como uma «grande montra para promover a excelência da gastronomia e do vinho da Galiza e do Norte de Portugal», sendo «símbolo da união desta eurorregião de mais de 7 milhões de habitantes».

Na sessão inaugural, esta realização foi apresentada como um exemplo de cooperação transfronteiriça e da colaboração público-privada, com destaque para a estreita ligação ao Turismo do Porto e Norte de Portugal.

A entidade regional associou-se, mais uma vez, «à prestigiada edição do Xantar», que se afirma «de forma cada vez mais consistente como campo de profícua cooperação transfronteiriça no âmbito do produto estratégico Gastronomia e Vinhos».

«A participação do destino Porto e Norte de Portugal neste prestigiado evento evidencia a relevância da Galiza como principal mercado emissor de turistas para a região, mobilizando a região Norte com um crescente número de municípios e agentes económicos que privilegiam o Xantar e a Galiza como palco de eleição para promoverem e partilharem o que de melhor têm no seu território em termos de Gastronomia e Vinhos», defende aquela entidade.

Relativamente à programação para o certame, o Turismo do Porto e Norte promoveu «um conjunto de conteúdos interpretativos alusivos à temática da Gastronomia e Vinhos, evidenciando as suas múltiplas expressões, alicerçadas num valioso património-memória associado à genuinidade dos produtos, às tradicionais formas de confeção, bem como uma abordagem de inovação e contemporaneidade, que traduzem uma imagem de prestígio da região».

Por seu turno, a Expourense destaca a participação de Portugal neste evento, que se verifica desde a sua primeira edição, sublinhando que o Turismo do Porto e Norte é «o principal parceiro estratégico desta mostra no estrangeiro».

Embora enfatizando a presença massiva de expositores do Norte de Portugal no Xantar, a organização da feira salienta a presença de outros destinos portugueses, como Setúbal ou os Açores.

Segundo as contas dos promotores, no total, mais de duas dezenas de autarquias portuguesas participaram de forma independente, somando-se às que marcaram presença no âmbito da delegação do Turismo do Porto e Norte.

«É uma participação que tem uma componente emocional devido à união que sempre existiu entre a Galiza e Portugal, mas também é estratégica, pois é o principal mercado emissor de turistas estrangeiros para a Galiza. Ao mesmo tempo, a eurorregião Galiza-Norte de Portugal configura um destino único, com uma oferta gastronómica e vinícola de qualidade para se posicionar internacionalmente», afirmam os promotores.

 

Mercado de proximidade alargado

Com a chegada do comboio de alta velocidade a Ourense, a organização apostou em alargar o leque de visitantes a várias regiões de Espanha. Para além da apresentação em Ponte de Lima, aquando do lançamento do programa “Em Época Baixa, Ponte de Lima em Alta”, a Expourense esteve em Madrid e em Zamora a divulgar a iniciativa, sublinhando que a nova possibilidade de transporte rápido alarga o conceito de turismo de proximidade.

Ourense passou a estar a duas horas e 15 minutos de Madrid e a pouco mais de uma hora de Zamora, o que permite captar novos visitantes para o certame. Para tornar esta opção ainda mais atrativa, foi lançado um pacote promocional de 65 euros, incluindo alojamento com pequeno-almoço, entrada na feira, refeição e participação nas atividades do certame.

A 23.ª edição do Xantar contou com 165 expositores de cinco países (Espanha, Portugal, Estados Unidos da América, Perú e Costa Rica), oito restaurantes e mais de 120 atividades.

Os municípios presentes no certame tiveram, desta forma, a possibilidade de chegar ao amplo mercado espanhol, através do convite para que os visitantes do Xantar descubram o potencial enogastronómico da região.

Sendo a «única feira internacional de turismo gastronómico reconhecida pelo Governo da Espanha», o Xantar «já se tornou um produto turístico em si mesmo».

A lista de expositores minhotos com stands próprios inclui Braga, Esposende, Vizela, Barcelos, Melgaço, Ponte de Lima e Viana do Castelo, concelhos a que se soma a presença da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal.

Para além do Minho, a participação nortenha contou também com uma aposta significativa de Trás-os-Montes (CIM Alto Tâmega e Barroso, Vila Real, Alijó e Peso da Régua) e de municípios como Felgueiras, Maia ou Matosinhos.

O programa teve novamente dias especialmente dedicados à promoção de territórios específicos, sendo que a Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega e Barroso esteve em foco na quarta-feira (dia 9), o Turismo do Porto e Norte de Portugal na quinta-feira (dia 10), Ponte de Lima na sexta-feira (dia 11) e Esposende e Vizela no sábado (dia 12).

Os sabores minhotos estiveram também em relevo no programa de atividades do certame, com o Município de Guimarães a promover ao longo do evento várias provas de vinhos (Quinta Pousada de Fora, Quinta da Cancela e Quinta de Sezim), harmonizados com os doces típicos do concelho.

Depois da experiência do ano passado, novembro consolida-se como o mês da realização do Xantar, permitindo que os participantes se associem à tradição dos magustos da cidade de Ourense.

O programa contemplou mais de 120 atividades, entre as quais cerca de 60 sessões de culinária ao vivo, 20 provas comentadas (vinhos, méis, conservas de peixe e marisco, queijos, aguardentes e licores) e outras 20 provas de produtos autóctones, que na maioria dos casos são protagonistas de festivais gastronómicos divulgados neste certame, sendo que estas festas tiveram pela primeira vez um espaço próprio para a sua promoção.

A funcionar estiveram os restaurantes do Caminho Minhoto Ribeiro, Caminhos EnOUgastronómicos (dinamizado pelo INORDE – Instituto Ourensano de Desenvolvimento Económico), O Irixo, Arnoia, Porto de A Guarda, Zamora e Massachusetts (EUA), a que acresceu a recriação de uma taberna galega, com as tradicionais empadas e o imprescindível polvo. Havia um total de 13 menus, com preços compreendidos entre 29 e 39 euros, com valores especiais para grupos.

A agenda contemplou o Encontro Internacional de Gastronomia Saudável e Sustentável, que incluiu a realização de oficinas de cozinha ao vivo por cozinheiros conceituados; o Encontro Internacional de Confrarias Gastronómicas e Enófilas; e o Encontro de Bloggers Gastronómicos e Turísticos de Espanha e Portugal, com o apoio da Concellería de Turismo do Concello de Ourense.

 

Braga quer atrair turistas de Ourense para bater recorde de dormidas

A gastronomia, os eventos e o património foram os principais ingredientes com os quais Braga se promoveu no Xantar. Com um stand próprio, Braga apostou no mercado galego para reforçar a dinâmica turística, de olhos postos em bater «os números históricos» de dormidas registados em 2019, antes da pandemia de Covid-19.

A revelação é feita ao Diário do Minho por António Barroso, adjunto do presidente da Câmara Municipal de Braga, que adianta que os números estão praticamente a ultrapassar os de 2019. Este ano já foram registadas 600 mil dormidas, sendo que em 2019 houve 640 mil. Este responsável recorda que ainda faltam quase dois meses para o fim do ano e que está prevista «uma programação muito forte» de Natal e Ano Novo, que certamente vai ser mais um motivo de atração turística.

No sentido de cativar visitantes galegos que pernoitem na cidade, Braga tem apostado na promoção em locais mais distantes da fronteira, como no Xantar em Ourense ou na Expocidades em Ferrol.

António Barroso lembra a ligação histórica entre Braga e Ourense, havendo mesmo uma parceria entre a InvestBraga e a Expourense. «Xantar é uma feira muito importante em Espanha. Há pessoas que vão de propósito a Ourense para ir a este certame. Isto significa que estamos não só a fazer a promoção junto dos habitantes daquela região, mas também a chegar ao público espanhol mais vasto que visita este evento», afirma.

O stand de Braga é um espaço onde quem ainda não conhece a cidade encontra informação sobre os seus principais atrativos gastronómicos, mas também sobre o património, destacando-se as fotografias em formato gigante do Bom Jesus e do Palácio do Raio, e os eventos mais significativos, como as celebrações da Semana Santa ou do São João.

Uma vez que a cidade marca presença neste evento desde a sua primeira edição, quem habitualmente visita o certame já não dispensa passar pelo espaço bracarense para ficar a par das novidades, pelo que é feita a divulgação do calendário de iniciativas culturais bracarenses.

Este responsável acrescenta que a estratégia de promoção internacional de Braga permite reinvestir as receitas da taxa turística, alavancando este setor de atividade com o aumento da atratividade da cidade e contribuindo para um dinamismo económico gerador de riqueza.

 

Esposende chama peregrinos para o Caminho de Santiago

Esposende promoveu o Caminho Português da Costa na 23.º edição do Xantar, no sentido de consolidar o crescimento sustentado deste traçado que atravessa o território do concelho.

A presença de Esposende esteve sábado (dia 12) em destaque no certame galego, com um dia dedicado ao município. O programa incluiu a presença do vereador do Turismo, Sérgio Mano, a animação do recinto pela mascote Pedrinhas e a degustação de produtos locais no stand do concelho.

Esposende fez a ligação à temática do Xantar, centrada na gastronomia dos Caminhos de Santiago, promovendo este atrativo que atravessa o concelho, ao mesmo tempo que divulgou os produtos locais de excelência, ao abrigo do programa ESLOCAL, um projeto de incentivo à produção e consumo de produtos endógenos.

José Costa, do Turismo de Esposende, adianta que os dados mostram que o Caminho Português da Costa está a ser «um sucesso», uma vez que é um trajeto marcado pela beleza das paisagens e pela menor exigência física das suas etapas em comparação com outros traçados.

No sentido de proporcionar um bom acolhimento aos peregrinos, Esposende lançou um guia com toda a informação útil relativa ao concelho, que vai desde o alojamento à restauração, passando por serviços como oficinas de bicicletas, farmácias ou hospitais.

No Xantar, num stand com referência às artes da pesca e à revitalização do junco, os visitantes da feira foram informados sobre todos os recursos que o concelho possui e incentivados à descoberta da gastronomia local, onde não falta o peixe, com destaque para o robalo, a lampreia e o polvo, e a doçaria, com as cavacas e as clarinhas de Fão. Os vinhos do concelho, uma cerveja artesanal e os laticínios também estiveram em destaque.

Com esta participação, a Câmara Municipal quis «reforçar a visibilidade» do concelho como destino turístico, procurando «conquistar novos visitantes, sobretudo na época baixa, de modo a atenuar o impacto da sazonalidade».

 

Vizela consolida Bolinhol como imagem do concelho

O presidente da Câmara Municipal de Vizela, Victor Hugo Salgado, participou, no passado sábado (dia 12), no dia do concelho no Xantar. A animação esteve a cargo da Banda da Sociedade Filarmónica Vizelense e de um grupo de concertinas, que chamaram a atenção dos visitantes da feira para as potencialidades turísticas do concelho, com destaque para a oferta gastronómica, em que o Bolinhol já se projetou como imagem de Vizela.

Jorge Coelho, dinamizador do Turismo de Vizela, explica que a presença de um stand do município no Xantar se insere na «estratégia de afirmação do concelho enquanto destino turístico», que tem vindo a ser consolidada desde 2017.

Particularmente relevante tem sido o trabalho de afirmação do Bolinhol, com destaque para o processo de certificação que garante a proteção da origem do doce, o registo da marca com um logotipo associado e a classificação como uma das sete maravilhas doces de Portugal.

Vizela aposta também na divulgação do Bacalhau à Zé do Pipo e dos vinhos do concelho, no âmbito de uma estratégia que tem vindo a dar frutos, como mostra o aumento de visitantes e das vendas das iguarias locais.

«O resultado tem sido muito positivo, pelo que esta aposta é para continuar», refere aquele responsável, reiterando o convite para a descoberta «dos segredos de um vale recheado de saberes, sabores e tradições».

 

Barcelos promove sete prazeres da gastronomia

Barcelos levou a Ourense a divulgação dos “Sete Prazeres da Gastronomia”, uma iniciativa que convida os visitantes a provarem o melhor das iguarias do concelho ao longo de todo o ano.

Jorge Durães, do Turismo de Barcelos, sustenta que a presença neste certame pretende mostrar «a pujança» do concelho, convidando os galegos a visitarem o município.

Nesse sentido, foi divulgado o calendário gastronómico para 2023: fim de semana da lampreia do rio Cávado de 10 a 12 de fevereiro; semana gastronómica do galo, rojões e papas de sarrabulho à moda de Barcelos de 10 a 19 de março; fim de semana do bacalhau de 19 a 21 de maio; fim de semana as tapas de 14 a 16 de julho; concurso do galo assado de 6 a 8 de outubro; fim de semana do arroz pica no chão de 2 a 5 de novembro; e concurso Barcelos doce a 2 e 3 de dezembro.

 

Melgaço define turismo como setor estratégico

Melgaço marcou presença no Xantar com um stand próprio, depois de anos de ausência, traduzindo assim uma aposta na promoção da gastronomia e dos vinhos do concelho no mercado galego.

«O turismo é um setor estratégico para Melgaço, por isso temos vindo a fazer um trabalho muito importante a esse nível», revelou o vice-presidente da autarquia, José Adriano Lima, ao Diário do Minho.

O responsável autárquico com os pelouros da Economia e Turismo adiantou que este setor vindo a «ganhar dimensão», com o Município a apostar em aprofundar a relação com Ourense, através da presença neste certame enogastronómico, mas também em eventos como o salão de desporto e turismo ativo Sportur ou a feira de termalismo e bem-estar Termatalia.

O vereador refere que Ourense é um mercado relevante para Melgaço, daí o município estar a dar a conhecer o potencial do território enquanto destino gastronómico e de turismo ligado à natureza.

Em cada dia do certame, o stand de Melgaço teve destaque um restaurante do concelho, para além da degustação de vinho, fumeiro, queijo, mel, compotas, infusões e águas.

 

Ponte de Lima combate sazonalidade

A gastronomia é sempre um bom motivo para visitar Ponte de Lima, mesmo na época baixa, por isso esteve em destaque no stand limiano no Xantar. O presidente da Câmara Municipal, Vasco Ferraz, e os vereadores do Turismo, Paulo Sousa, e do Desenvolvimento Rural, Carlos Lago, estiveram no recinto na passada sexta-feira (dia 10), dia do concelho.

Nuno Brandão Abreu, do Turismo de Ponte de Lima, explica que a estratégia para este certame passou pela divulgação dos produtos do Mercado Agrolimiano, designadamente vinho, enchidos, mel e doçaria.

Este técnico refere que o concelho é muito procurado pelos galegos, mas o esforço de promoção tem de ser contínuo, também no sentido de combater a sazonalidade.

«Ponde de Lima tem algumas caraterísticas que atraem os turistas, mas este trabalho que fazemos de promoção nas feiras, tanto a nível nacional como internacional, tem de continuar para nos mantermos na linha da frente», afirma.

A participação do concelho incluiu uma sessão sobre a confeção de Arroz de Sarrabulho à Moda de Ponte de Lima, prato acompanhado por vinhos de Ponte de Lima, numa organização do Município de Ponte de Lima e da Confraria Gastronómica do Arroz de Sarrabulho.

 

Viana destaca torta e Loureiro

A torta certificada de Viana do Castelo e os vinhos Loureiro foram os protagonistas em destaque no stand da “princesa do Lima”, onde não faltaram referências aos seus monumentos e tradições.

Luís Moura Serra, do serviço de Turismo de Viana do Castelo, reconhece a importância dos mercados de proximidade para a dinamização deste setor, embora destaque o crescimento da procura por parte de países mais distantes, entre os quais os EUA.

Relativamente ao número de visitantes, diz que a Páscoa e o verão foram períodos com muita procura, estando o concelho a ultrapassar os valores de 2019, que foi um ano excelente para o turismo da região.

Relativamente à programação, na quinta-feira (dia 10), o Município de Viana do Castelo promoveu uma demonstração culinária dos “Sabores do rio Lima”, a cargo da Escola de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo, e uma prova de vinho comentada pelo Solar do Louredo, no âmbito do projeto “Loureiro do Vale do Lima – um vinho, um território, um destino”.

Houve também momentos de prova de vinhos dos produtores locais (Quinta do Abade, Caroça Family WineYards e Armindo Dias Fernandes, Lda.) e degustação de Torta de Viana da pastelaria Dona Farinha Cake Design e Pastelarias do Castelo.

A Fundação Gil Eannes também esteve presente no stand do Município, com a divulgação do Navio-Museu e de toda a sua oferta.

 

Selo de hospitalidade jacobeia desperta interesse internacional

O selo “Hospitalidade Jacobeia”, lançado pela Federação Portuguesa do Caminho de Santiago para distinguir os espaços que se diferenciam pelo bom acolhimento aos peregrinos, está a despertar interesse internacional.

O regulamento deste selo apenas permite a sua atribuição a nível nacional, mas têm-se multiplicado os pedidos por parte de albergues, alojamentos e instituições estrangeiras.

A projeção desta iniciativa ganha ainda mais impulso com a adesão do organismo português à Federação Europeia dos Caminhos de Santiago, que se verificou no passado mês de junho.

Este trabalho esteve a ser divulgado no Xantar, tendo a abertura contado com a presença de Ana Rita Dias, vice-presidente da Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, que preside à Federação Portuguesa.

Esta instituição esteve presente em Ourense com um stand próprio, onde distribuiu informação e promoveu a degustação de iguarias que os peregrinos podem provar quando percorrem os traçados que atravessam o território nacional, tendo em conta que o tema da edição do certame era a gastronomia nos Caminhos de Santiago.

Catarina Chaves, da autarquia de Vila Pouca de Aguiar, disse ao Diário do Minho que o selo “Hospitalidade Jacobeia” esteve em destaque, sendo o objetivo deste certificado «dar visibilidade às boas práticas dos albergues de peregrinos portugueses» e a «todos aqueles estabelecimentos que, ao longo dos Caminhos de Santiago, não sendo albergues, cumprem os requisitos de boa hospitalidade jacobeia».

Esta responsável adianta que se está a verificar «uma adesão muito grande» a este selo, que tem sido apontado a nível internacional como um exemplo de boas práticas. «Com a entrada para a Federação Europeia, este é um dos projetos que pretendemos estender a outros países, para que este selo seja identificado pelo peregrino como símbolo de qualidade e de boas práticas de acolhimento a nível nacional», afirma.

Fundada em 2019, a Federação Portuguesa conta com meia centena de associados, que incluem municípios, entre os quais Braga e Viana do Castelo, paróquias, associações de peregrinos e outras entidades cuja atividade está relacionada com os Caminhos de Santiago. Cerca de duas dezenas de entidades estão a tratar do processo burocrático de adesão.

No âmbito da promoção gastronómica, no primeiro dia do Xantar esteve em destaque o Bolo Podre de Castro Daire, que foi servido às entidades oficiais espanholas e portuguesas que participaram na sessão de abertura do certame.

Adérito Ferreira, grão-mestre da Confraria do Bolo Podre, explica ao DM que esta iguaria tem uma história com «seguramente mais de 200 anos», distinguindo-se por se «tender e amassar a massa como o pão» e pelos líquidos que leva serem apenas as gorduras e os ovos.

Tradicionalmente, este era «um folar rico» que se punha na mesa do dia de Páscoa e se oferecia ao padre. Atualmente, pode ser encontrado ao longo de todo o ano, podendo ser comido sozinho ou acompanhado por queijo, presunto ou outras especialidades a gosto. Capaz de aguentar fresco durante 20 dias, ganha uma nova vida se depois desse período for torrado.

Salientando a importância do Bolo Podre para Castro Daire, pelas pessoas que a sua produção emprega, este responsável deixa um convite para que este produto seja degustado no território de origem, onde tem outro sabor.

Para além das degustações, esta entidade teve dois momentos integrados no programa geral do evento, destinados «a divulgar os produtos gastronómicos de excelência que o peregrino poderá degustar, enquanto percorre os Caminhos de Santiago portugueses»: na quarta-feira esteve em foco a Gastronomia do Caminho de Santiago em Portugal e na quinta-feira o menu temático Caminhos de Santiago em Portugal, numa iniciativa em conjunto com a Escola Profissional de Alvaiázere.

A presença nacional corresponde à crescente valorização destes itinerários, que se traduziu na certificação do Caminho Português de Santiago Central – Alentejo e Ribatejo (435 km) em março de 2021, do Caminho Português de Santiago Interior (214 km) em outubro de 2021 e do Caminho da Costa (138 km) em fevereiro de 2022.

 

Prémio para restaurante do Caminho Minhoto Ribeiro

O restaurante do Caminho Minhoto Ribeiro arrecadou o prémio de melhor stand restaurante do 23.º Xantar. Este espaço foi distinguido por «oferecer uma ementa galaico-portuguesa que inclui as diferentes etapas do Caminho Minhoto Ribeiro, conjugar pratos típicos de Portugal com produtos de qualidade da região do Ribeiro, como os pimentos e o vinho, e por representar na perfeição a promoção da gastronomia nos Caminhos de Santiago, que é o fio condutor desta edição», refere a organização.

Camilo Fernandes explicou que o restaurante Madre Auga, instalado no balneário histórico de Cortegada, no Caminho Minhoto Ribeiro, respondeu ao repto de apresentar a sua comida luso-galaica no certame, uma vez que conjuga o melhor de Espanha e Portugal.

Relativamente ao fluxo de visitantes, refere que se começa a ver uma dinâmica assinalável, sobretudo aos fins de semana. Em seu entender, o facto de se de um Caminho novo é «uma mais-valia», pois o percurso afigura-se como alternativa aos traçados mais conhecidos e já percorridos por muitos peregrinos.

O Caminho Minhoto Ribeiro teve também um stand próprio, no qual divulgou informação relativa a este percurso que liga Braga a Santiago de Compostela.

Presente no evento, a diretora do Turismo da Galiza destacou que o Caminho de Santiago é um dos elos de união entre a Galiza e Portugal. Nava Castro defendeu que eventos internacionais como o Xantar são uma oportunidade para continuar a posicionar a Galiza como um destino gastronómico e vitivinícola de alto nível, em que o turismo sustentável e saudável se afirma como uma linha de força.

Por seu turno, o responsável pela direção do Plano Jacobeo da Xunta de Galicia, Ildefonso de la Campa, falou dos excelentes resultados obtidos neste Ano Santo, prevendo-se que 2022 encerre com cerca de 600.000 peregrinos.

Felicitou as rotas portuguesas, indicando que estas são as que mais cresceram nos últimos anos, assumindo já a origem de 21% dos peregrinos que chegam a Compostela.

Ildefonso de la Campa falou ainda do papel estruturante dos diferentes percursos, que contribuem para dinamizar o desenvolvimento dos territórios que atravessam, com particular relevância para os que se encontram no meio rural.

 

Terra de Celanova-Serra do Xurés quer conquistar turistas bracarenses

Com um stand no Xantar, o geodestino Terra de Celanova-Serra do Xurés promoveu-se na passada quinta-feira (dia 10), em Braga, com o objetivo de cativar visitantes para este território localizado em Ourense, na Galiza, na fronteira com Portugal.

A iniciativa incluiu a apresentação da campanha promocional “Escolhe a tua aventura”, no Posto de Turismo de Braga, com a presença da gerente do INORDE – Instituto Ourensano de Desenvolvimento Económico, Emm, e do representante da Câmara Municipal de Braga, António Barroso.

Um ciclista que está a fazer o circuito em BTT, um romano da altura da Via Nova associado ao acampamento de Aquis Querquennis (Bande) e um peregrino medieval a fazer o Caminho Jacobeu da Rainha Santa e de S. Rosendo percorreram as ruas do centro histórico a promover este destino.

«Estamos a fazer uma ação promocional para dar a conhecer aos potenciais visitantes de Braga a oferta do geodestino, seja na vertente do Caminho da Rainha e S. Rosendo, do cicloturismo, do termalismo, da gastronomia e de outros recursos», afirma Emma González.




Outras Reportagens


Scroll Up