Fotografia: DR

Barcelos “apadrinha” novas adesões à Associação de Cidades e Vilas Cerâmicas

A entidade visa promover nacional e internacionalmente a defesa, preservação e promoção do património cultural associado à atividade cerâmica.

Redação
8 Nov 2022

A Associação Portuguesa de Cidades e Vilas de Cerâmica (APTCVC) aprovou a adesão de três novas cidades – Coimbra, Albergaria-a-Velha e Loulé – na sua mais recente Assembleia Geral, realizada em Barcelos.

Criada em 2018, a Associação é agora é constituída por 26 municípios portugueses.

Nesta sessão, os associados elegeram o novo Conselho Consultivo e aprovaram o plano Anual de Atividades e Orçamento 2023, bem como as normas de atribuição de condecorações e o valor da quota ordinária anual, disse a câmara de Barcelos que esteve representada neste encontro pela vereadora Elisa Braga.

A APTCVC tem como principais objetivos «promover e incentivar o desenvolvimento económico, turístico e patrimonial dos territórios com larga expressão de cerâmica» e, assim, contribuir para o «reforço da identidade cultural e preservação da memória coletiva». 

A entidade visa também promover nacional e internacionalmente a defesa, preservação e promoção do património cultural associado à atividade cerâmica.

A Associação Cidades e Vilas Cerâmicas Portuguesas teve como fundadores, em 2018, 14 municípios: Alcobaça, Aveiro, Barcelos, Batalha, Caldas da Rainha, Ílhavo, Mafra, Montemor-o-Novo, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Tondela, Viana do Alentejo, Viana do Castelo e Vila Nova de Poiares.

Posteriormente, em 2021, foram integrados os municípios de Oliveira do Bairro, Porto de Mós, seguidos de Leiria e Condeixa. Em 2022 foi a vez da adesão dos municípios de Estremoz, Fundão, Loures e Vila Real.

 A APTCVC integra o Agrupamento Europeu de Cidades Cerâmicas (AeuCC), que engloba mais de 120 cidades em sete países europeus: Alemanha (10 cidades); Espanha (29); França (10); Itália (46); Portugal (18); Roménia (12) e República Checa (três). Este agrupamento visa desenvolver intercâmbios e a cooperação transnacional no domínio da arte e do artesanato cerâmico, principalmente para criar coesão social e económica, desenvolvendo projetos e serviços para os interlocutores deste sector, no quadro das novas políticas europeias para os territórios.





Notícias relacionadas


Scroll Up