Fotografia: EPA/YANIK BUERKLI TILT SHIFT LINSE

100 carruagens, quase 2 km. Suíça bateu recorde de comboio de passageiros mais longo do mundo

A tentativa de recorde celebrou 175 anos da ferrovia suíça com uma viagem por um troço da Linha de Albula.

João Pedro Quesado
29 Out 2022

1.910 metros, 25 composições de quatro carruagens, quase 3 mil toneladas. São estes os números com que foi batido, este sábado, o recorde de comboio de passageiros mais longo do mundo, numa viagem por uma das mais espetaculares linhas ferroviárias nos Alpes suíços.

A empresa Ferrovia Rática (Rhätische Bahn, RhB), uma operadora ferroviária privada na Suíça, estabeleceu assim o novo recorde de comboio de passageiros mais longo do mundo em via estreita na Linha de Albula. A linha, percorrido pela composição recordista no troço entre Preda e Alvenau, foi inscrito em 2008 na Lista de Património Mundial, da UNESCO, em conjunto com a Linha de Bernina.

O comboio atravessou 22 túneis e 48 pontes, incluindo o icónico Viaduto de Landwasser, símbolo da ferrovia local com 65 metros de altura e 142 metros de comprimento, percorridos sempre em curva.

A viagem, que em condições normais pode ser feita em 30 minutos, demorou uma hora, já que o comboio não ultrapassou os 30 km/h nesta tentativa de quebrar o recorde mundial. Habitantes locais e entusiastas colocaram-se ao longo do percurso para observar o comboio histórico, numa viagem que gerou cerca de 4.000kWh (quilowatt-hora) através da recuperação da energia nas travagens – energia introduzida na rede e utilizada por outros comboios na rede ferroviária, assim como pelos consumidores nas suas casas.

Muitos dos entusiastas partilharam nas redes sociais imagens do acontecimento, permitindo perceber o impacto visual de um comboio tão longo a serpentear pelas linhas sinuosas dos Alpes na Suíça.

Outros estiveram mesmo a bordo do comboio para a viagem histórica. A RhB tinha promovido pacotes especiais para a participação no evento.

Entre os vários desafios da viagem esteve o controlo sincronizado de todas as composições, já que todas devem acelerar e travar ao mesmo tempo, apesar de apenas ser possível controlar quatro comboios a partir de uma cabine de maquinista. Tal foi conseguido através de um sistema de comunicação separado no comboio, permitindo a coordenação entre sete maquinistas e 21 técnicos. Para além disso, o comboio foi equipado com um software especial para a viagem, e a sua capacidade de travagem reduzida.

De acordo com o diretor da Ferrovia Rática, Renato Fasciati, a tentativa de recorde foi concretizada com a intenção de realçar os feitos de engenharia na ferrovia suíça e para celebrar 175 anos de operação da mesma.





Notícias relacionadas


Scroll Up