Fotografia: DM

D. José Cordeiro: «O trabalho deve ser um lugar de realização integral do Ser Humano»

D. José Cordeiro presidiu à Assembleia Diocesana da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC)

Carla Esteves
22 Out 2022

O Arcebispo de Braga afirmou, hoje, que «o trabalho deve ser um lugar de realização e de feliz desenvolvimento integral do Ser Humano». D. José Cordeiro condenou o lucro e o consumo desregrado e defendeu que é preciso dignificar o trabalho, «dando sentido à vida pessoal, comunitária e familiar» e respeitar as pessoas «não como números ou possibilidades de lucro», mas sim «na inteireza dos seus direitos e dos seus deveres».

O Arcebispo Primaz falava à margem da sessão de abertura da Assembleia Diocesana da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC) da Arquidiocese de Braga, que decorreu no Centro Cultural e Pastoral da Arquidiocese de Braga, na rua de S. Domingos.

«O trazer o pão para casa (esta imagem que o Papa Francisco usa muitas vezes), dá alegria e felicidade, mas também é motivo de dor, de sofrimento, e quando os direitos não são respeitados, quando a dignidade humana não é o lugar desse encontro entre o trabalho, a profissão, a construção do bem comum, as dificuldades aumentam. E não podemos esquecer que os tempos que atravessamos são muito difíceis», argumentou D. José Cordeiro.

Recordando as palavras do Papa Francisco, quando afirmou que «esta economia mata», criticando assim a injustiça do sistema social e económico e a gravidade das desigualdades sociais, D. José Cordeiro defendeu que no centro da economia e do trabalho deve estar a pessoa».

«Se há outros objetivos, do lucro, do consumo desregrado, isto não dá sentido à vida pessoal, comunitária, familiar e mais globalizada. E pior ainda, depois, quando se entra na indiferença e as pessoas são tratadas como números ou como possibilidades de lucro e não são respeitadas na inteireza dos seus direitos e dos seus deveres como pessoas», sustentou.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up