Fotografia: DM

Deputados aprovam plano para integração de migrantes

O partido Chega foi o único a abster-se na votação do Plano Municipal para a Integração de Migrantes.

José Carlos Ferreira
16 Out 2022

A Assembleia Municipal aprovou, apenas com a abstenção do Chega, o Plano Municipal para a Integração de Migrantes 2022.

O documento esperava-se que obtivesse a unanimidade dos votos, mas o deputado Filipe Melo, que disse ser «nacionalista com todo o gosto», absteve-se. O deputado do Chega lembrou que Portugal foi país de emigrantes distintos, que foram para o estrangeiro com vontade de trabalhar, adaptando-se ao país de acolhimento. Agora, acrescentou, Portugal regista-se o movimento inverso. Filipe Melo disse ser a favor de uma imigração controlada, mas contra os imigrantes que vêm à espera de um subsídio ou de uma casa dada pelo Estado ou o município. «Já temos muitos portugueses que, infelizmente, precisam e deve ser para eles a nossa primeira atenção», disse.

Sobre o documento, Ana Martins, da CDU, levantou algumas questões, como qual o horizonte temporal para o plano, já que é relativo a 2022, e disse que algumas ações  têm metas «aparentemente pouco ambicosas».

Paula Caramelo, do PS, mesmo com este plano da Câmara de Braga, «há ainda um longo caminho a percorrer, sendo necessário manter as boas práticas que tem sido levadas a cabo e, ao mesmo tempo, procurar inovar nas meddias a desenvolver e na sua disseminação pela rede social local». 

Bruno Machado, do Iniciativa Liberal, defendeu uma cidade integradora, que deve cuidar da integração plena. O deputado do IL sugeriu a criação em Braga de um Museu das Migrações e da Interculturalidade.

Pelo Bloco de Esquerda, Norberta Grilo disse ser desnecessário que neste plano as iniciativas sejam designadas em inglês, dando como exemplo o “Braga Incoming” ou o “New Intervinting for Imigrants”. «Braga pode e deve ser uma cidade aberta ao mundo, multicultural e inclusica», disse.

PSD aconselha Chega a ir a sessões sobre racismo

No debate sobre o Plano, o ambiente na Assembleia Municipal aqueceu com uma troca de palavras entre o PSD e o Chega.

A deputada do PSD, Sofia Alcaide, começou por considerar que o plano é completo, procura dar resposta e auxiliar os migrantes em matérias em que sentem dificuldades. Antes de terminar deixou um recado ao Chega: «Resta fazer o convite ao senhor deputado do Chega para participar nas sessões de cidadania e de racismo previstas neste plano de forma a moderar as suas intervenções». 

O deputado do Chega, Filipe Melo, perante a afronta, começou por dizer que não ia responder a Sofia Alcaide diretamente por entender que são provocações que não fazem sentido. Filipe Melo, lembrando que o terceiro candidato da lista do Chega à Assembleia Municipal de Braga nasceu do outro lado do Atlântico, aconselhou a deputada do PSD a fazer acusações de forma digna, e a conhecer as pessoas antes de falar.





Notícias relacionadas


Scroll Up