Fotografia: Avelino Lima/DM

Católica deve colocar a ciência ao serviço do bem comum

D. Nuno Almeida vincou que a missão deve ser enquadrada «na identidade cristã» da instituição, que foi desafiada a cultivar «a capacidade de ousar e inovar».

Joaquim Martins Fernandes
16 Out 2022

O Bispo Auxiliar de Braga, D. Nuno Almeida, exortou ontem a Universidade Católica Portuguesa a focar o conhecimento científico na construção do bem comum. «A missão da Universidade Católica é cultivar a ciência e contribuir para o bem comum», disse D. Nuno Almeida, destacando ser «preciso, em cada ano, recalibrar os objetivos e a missão [da Católica], produzindo ciência e ensino de excelência, na vanguarda do conhecimento, e reforçar sempre mais o compromisso com a sociedade e com a Igreja».

O Prelado bracarense falava na cerimónia oficial da bênção e entrega dos diplomas aos alunos finalistas do ano letivo 2021/2022, que decorreu ontem no Centro Regional de Braga.

Salientando a ideia de que «o bem supremo de cada ser humano é conhecer a verdade e servir o bem e experimentar a alegria das suas opções», D. Nuno Almeida deixou a convicção de «as tempestades que estamos a enfrentar, na sociedade e na Igreja, tornam ainda mais precioso e decisivo este serviço ao bem comum da Universidade Católica». 

Servir a sociedade

«É saudável que a Católica procure ir sempre mais além. Há que sonhar e ambicionar por mais e melhor, cultivando a capacidade de ousar e inovar», continuou o Bispo Auxiliar de Braga, notando que «no início de um novo ano académico é sempre oportuno trabalhar e ter consciência da alma da Universidade». 

«Esta alma, no caso concreto da Universidade Católica Portuguesa, está centrada nos valores da pessoa, na defesa da justiça, da verdade, da liberdade e do bem, ancorando-se num princípio inquebrantável de diálogo e de respeito pela diferença», destacou D. Nuno Almeida, deixando claro que a ação da Católica tem de ser exercida «a partir da sua identidade cristã e da luz projetada pelos valores do Evangelho». É que a missão da Universidade Católica «é estar ao serviço da sociedade e da Igreja», pelo que a sua ação deve «ser alinhada» pela «determinação, criatividade e pelo empenho» que «fazem da Católica uma grande Universidade e uma Universidade com futuro».

Recordando a importância que o Papa atribui à educação, o Bispo Auxiliar de Braga sublinhou que «a educação é uma das formas mais eficazes de humanização do mundo». Citando o Santo Padre, D. Nuno disse que «educar não é encher vasos», mas antes «acender o fogo».

«A Católica mantém este fogo, que transmite, porque a única forma de o acender é por meio do testemunho pessoal e comunitário. Antes de transmitir o saber, devemos acender o fogo que representa o que somos», enfatizou, notando que «este contacto dá-se devido ao facto de estarmos lado a lado».





Notícias relacionadas


Scroll Up