Fotografia: DM

Bracarenses alertados para «atrocidades» que estão a ser cometidas na Ucrânia

A manifestação de apoio à Ucrânia juntou perto de uma centena de pessoas na Praça da República, em Braga.

Jorge Oliveira
16 Out 2022

Perto de uma centena de pessoas, a grande maioria ucranianas, participou, ontem, em Braga, numa manifestação de apoio à Ucrânia e condenação da Rússia.

Organizada por um grupo de jovens ucranianos, através de uma rede social, a iniciativa teve ainda como objetivo lembrar e sensibilizar os bracarenses para as «atrocidades» que estão a acontecer na Ucrânia e afirmar que «a Rússia é um país terrorista», disse Anastácia Kryivohue, porta-voz do grupo.

Grande parte dos manifestantes presentes eram refugiados recém-chegados da guerra, sobretudo mulheres com crianças.  Razão pela qual os discursos foram feitos em duas línguas, portuguesa e ucraniana.

A manifestação teve lugar na Praça da República,  junto à Arcada, ao meio da tarde, com as cores da Ucrânia (azul e amerelo) bem visíveis em bandeiras, cartazes e balões. 

A entoação do Hino Nacional da Ucrânia foi um dos  momentos mais emocionantes desta ação à qual se associaram alguns bracarenses. Nos rostos tristes de mulheres ucranianas escorriam lágrimas.

«A Rússia está a destruir cidades ucranianas inteiras, torturam e matam pessoas inocentes. Estão a querer destruir-nos como nação», ouviu-se entre os testemunhos pronunciados na concentração, à qual se associou o padre da Igreja Ortodoxa da Ucrânia Vasyl Bundzyak, a residir em Portugal há cerca de 20 anos.

Em declarações ao Diário do Minho, o sacerdote considerou «muito importante» fazer estas manifestações para não deixar esquecer a guerra na Ucrânia e todas as «atrocidades» que estão a ser cometidas.

«A Rússia está a matar crianças, mulheres, a população civil, está a destruir edifícios e isto tem de parar», disse o sacerdote.

“Rússia stop” era uma das frases que se podiam ler nos cartazes.





Notícias relacionadas


Scroll Up