Fotografia: DR

PJ detém jovem suspeito de atear dez incêndios na Póvoa de Lanhoso

O suspeito terá atuado «motivado por incendiarismo».

Redação/Lusa
4 Out 2022

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, esta segunda-feira, um jovem de 20 anos, suspeito de ter ateado dez incêndios florestais que consumiram uma área total superior a cinco hectares de floresta na Póvoa de Lanhoso. Em comunicado, a PJ descreve que o suspeito terá atuado «motivado por incendiarismo».

A detenção foi feita fora de flagrante delito e o suspeito é um jovem de 20 anos, operário da construção civil, que «terá recorrido a chama direta para as respetivas ignições», lê-se num comunicado da PJ. Em causa estão fogos ateados de noite que ocorreram em julho, em Sobradelo da Goma, na Póvoa de Lanhoso. A força de investigação criminal descreve que «os locais onde os incêndios ocorreram situam-se numa zona onde existem condições de propagação a manchas florestais de grandes dimensões, gerando enorme risco, potencialmente alimentado pela carga combustível ali existente e pela orografia própria da região, o que se traduziu em elevado perigo concreto para as pessoas, para os seus bens patrimoniais e para o ambiente».

«Os locais da freguesia onde ocorreram os incêndios foram alvo, de forma recorrentemente, de diversas ignições com natureza dolosa», descreve esta polícia de investigação. A PJ acrescenta que os incêndios, que «consumiram vegetação herbácea, arbustiva e arbórea, numa área total superior a cinco hectares de floresta, só não atingiram maiores proporções devido à rápida intervenção dos bombeiros».

Sem precisar datas, a PJ refere que o jovem, entretanto constituído arguido, vai ser presente à autoridade judiciária para primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação. Esta investigação foi levada a cabo pela PJ, através do Departamento de Investigação Criminal de Braga, com a colaboração do Grupo de Trabalho para a Redução de Ignições em Espaço Rural – Zona Norte.





Notícias relacionadas


Scroll Up