Fotografia:

Primeiro triunfo caseiro do Vizela

Anderson marcou o golo da primeira vitória do Vizela em casa esta temporada.

Redação/Lusa
2 Out 2022

O Vizela encerrou ontem um ciclo de seis jogos sem vitórias na I Liga, ao receber e bater o Portimonense por 1-0, com um golo de Anderson.

O tento do defesa central, à segunda tentativa de um lance de insistência ofensiva, ao minuto 14, decidiu um encontro quase sempre vivo e equilibrado, com oportunidades para os dois lados, mas mais períodos de supremacia minhota.

A formação algarvia ganhou vários duelos pela bola nos primeiros minutos e empurrou o jogo para as imediações da área vizelense, desferindo o primeiro remate com perigo ao minuto oito, por Rui Gomes, para intervenção atenta de Buntic.

Os anfitriões libertavam-se da pressão contrária esporadicamente, mas foram eficazes, ao inaugurarem o marcador numa jogada de insistência, em que Anderson, servido por Tomás Silva, se viu isolado perante Nakamura após falhar na bola à primeira tentativa, atirando fora do alcance do guarda-redes à segunda.

O Portimonense acusou o golo sofrido e recuou no terreno, perante um Vizela que, apesar da substituição do lesionado Claudemir por Raphael Guzzo, ao minuto 20, ameaçou ainda mais no ataque, como no pontapé livre de Alex Méndez para defesa apertada de Nakamura, aos 22.

Perante a quebra de rendimento da equipa, Paulo Sérgio trocou o médio Henrique Jocú pelo avançado Yago Cariello, ao minuto 32, e o Portimonense recuperou presença ofensiva, com o remate de fora da área de Luquinha a rasar a trave, aos 40.

O ponta de lança desperdiçou a ocasião mais flagrante para o empate ao minuto 48, ao rematar ao lado, isolado, mas o mergulho de Nakamura para negar o autogolo a Pedrão num cabeceamento, aos 52, prenunciou o duelo partido que se estendeu pela etapa complementar.

O Vizela tentou de novo o golo em cabeceamento de Ivanildo Fernandes por cima, aos 58 minutos, antes de Yago Cariello, aos 60, e de Rui Gomes, aos 67, testarem a atenção de Buntic em remates de longe.

Com o avanço do cronómetro, os algarvios subiram cada vez mais no terreno, cedendo mais espaço para o contra-ataque, que quase valeu o segundo golo minhoto, aos 80 minutos: Kiko Bondoso isolou-se, mas Nakamura opôs-se-lhe com uma defesa que desviou a bola para a trave.

Apesar das dificuldades para desequilibrar o bloco defensivo contrário, a turma de Portimão ameaçou o empate num dos últimos lances do jogo, mas Buntic negou o golo a Rochez.





Notícias relacionadas


Scroll Up