Fotografia: DM

Cultura. Assembleia Municipal unânime no apoio à candidatura de Braga 2027

Quase todos os partidos com assento na Assembleia Municipal não pouparam palavras de elogio ao trabalho realizado pela autarquia.

José Carlos Fernandes
2 Out 2022

A Assembleia Municipal de Braga aprovou, já na madrugada de sábado, por unanimidade e aclamação, a moção de apoio à candidatura de Braga a Capital Europeia da Cultura 2027.

Quase todos os partidos com assento na Assembleia Municipal não pouparam palavras de elogio ao trabalho realizado pela autarquia e pela equipa que está envolvida nesta candidatura.

No momento das intervenções, o deputado do Iniciativa Liberal considerou que «este projeto é um sinal que a cultura é uma importante âncora de desenvolvimento do nosso território cultural». «Esta deve ser uma oportunidade para dar a conhecer o nosso riquíssimo património, promovendo a cooperação entre os diversos agentes», disse Bruno Machado.

Borges de Macedo, do PPM, considerou, por sua vez, que «a partir do momento que Braga decidiu concorrer à Capital Europeia da Cultura, ampliou-se substancialmente a sua oferta cultural, trazendo uma dinâmica artística que a cidade não estava habituada». Segundo sustentou, «a cultura descentralizou-se  e expandiu-se para lá do centro urbano e as sinergias entre o quadrilátero urbano foram potenciadas». «A ser Braga a escolhida para Capital Europeia da Cultura, beneficiará não só o concelhom mas toda uma região do Minho e do Norte», acrescentou.

O deputado PAN Tiago Teixeira, depois de evidenciar a importância da cultura nas suas várias vertentes, terminou a sua intervenção desejando muito boa sorte à candidatura de Braga a Capital Europeia da Cultura 2027.

Pelo Partido Socialista, Palmira Maciel teceu palavras elogiosas à autarquia e à equipa envolvida na elaboração da candidatura. «O percurso trilhado até aqui tem sido muito positivo», disse. «Estamos orgulhosos desta candidatura», acrescentou a deputada socialista, saudando o trabalho feito atá agora. Palmira Maciel considerou ainda que esta candidatura deve ser motor para a reabilitação do S. Geraldo e do edifício da EB 2,3 Dr. Francisco Sanches. A deputada do PS apontou ainda algumas áreas culturais que ainda podem ser contempladas. 

Pelo Aliança, José Carlos Silva disse que esta é uma oportunidade única para Braga e o Norte, realçando que a candidatura deve convocar todos os agentes da região.

Do CDS-PP, Carlos Neves defendeu que esta candidatura «seja reconhecida pelo apoio unânime de todos os órgãos municipais de Braga, bem como de organizações sociais, económicas, ambientais e científicas representativas do tecido institucional da região»

João Marques, do PSD, sublinhou que, o que já foi feito, quer Braga ganhe ou perca, não se pode perder. «Possamos fazer da Cultura um motor de desenvolvimento em Braga», salientou. Para o deputado do PSD, esta candidatura não é um mero logo, mas uma candidatura com possibilidade de vencer.





Notícias relacionadas


Scroll Up